Tag Archive escatologia

Quantas Profecias Faltam Para o Fim?

 TOPO-TITULO

 

É conhecido por muitos, que gerações e pessoas no passado chegaram a acreditar que Jesus Cristo voltaria em sua época, e estavam enganadas. Muitas pessoas em nossos dias acreditam que à volta de Cristo está bem próxima. A realidade é esta; na Bíblia existem profecias que não poderiam ter se cumprido antes desta geração.

POR; AGNALDO S SANTANA

MINISTÉRIO ESPÍRITO DE VIDA

www.espiritodevida.com.br


ESCATOLOGIA – Logo após o Senhor Jesus ter entrado em Jerusalém montado em um jumento e ensinado no templo, subiu ao monte das Oliveiras com seus discípulos e ali profetizou para eles os diversos sinais que precederiam seu retorno. Mateus deixou registrado no capítulo 24, Marcos confirmou todas as palavras no capítulo 13 e Lucas reforçou tudo que foi dito pelos seus colegas de missão no capítulo 21. “Observem a figueira e todas as árvores. Quando elas brotam, vocês mesmos percebem e sabem que o verão está próximo. Assim também, quando virem estas coisas acontecendo, saibam que o Reino de Deus esta próximo” (Lucas 21:29-32).

Jesus afirmou também em meio a estas profecias, que seu retorno se daria dentro da geração que estas coisas estivessem acontecendo. Podemos afirmar que é nesta nossa geração? Com quase dois mil anos que Jesus Cristo falou sobre os sinais do fim, muitos já pensaram e até pregaram que estavam vivendo os dias finais, porem calcularam erroneamente.  Onde eles se enganaram? Em não levar em conta que muitas profecias proferidas ali, ainda não tinham acontecido ou não poderiam acontecer antes da era moderna, o avanço cientifico e tecnológico, coisa que só ocorreu depois da segunda guerra mundial iniciada em 1939 com término em 1945.

     Chamou-me a atenção algumas profecias que antecipariam o retorno de Cristo, e realmente com o cumprimento delas podemos esperar o fim. Neste momento você pode estar a se perguntar; Será se elas já se cumpriram? Procurarei formar uma escada numérica com sete degraus, cada degrau representará uma profecia.   

     1º Degrau: A CAPACIDADE QUE A HUMANIDADE TERIA EM AUTO SE DESTRUIR.

     A partir desta linha, nós poderemos criar um triângulo e em cada ponta colocarmos um livro que contem a mensagem referente ao fim dos tempos, chamaremos este triangulo de “Triangulo Profético” e os livros são eles: Daniel, os Evangelhos citados e Apocalipse.

DANIEL-MATEUS-APOCALIPSE

    “(..)e haverá um tempo de angústia, qual nunca houve, desde que houve nação até àquele tempo; mas naquele tempo livrar-se-á o teu povo, todo aquele que for achado escrito no livro. E tu, Daniel, fecha estas palavras e sela este livro, até ao fim do tempo; muitos correrão de uma parte para outra, E A CIÊNCIA SE MULTIPLICARÁ” (Daniel 12:1b e 4).

     A mensagem que o Anjo do Senhor estava entregando a Daniel por volta do ano 530 antes de Cristo estava dizendo que, o homem se aproveitaria do conhecimento e da ciência para criar tantas invenções e armamentos que o mundo viveria em pavor e constante perigo, a ponto de necessitar da intervenção divina urgente para livrar o seu povo.

     Mateus escreve as palavras ditas por Jesus quando estava no seu ministério na terra, que trazem o mesmo tom; “Porque haverá, então, grande aflição, como nunca houve desde o princípio do mundo até agora, nem tampouco haverá jamais. E, se aqueles dias não fossem abreviados, nenhuma carne se salvaria; mas, por causa dos escolhidos, serão abreviados aqueles dias” (Mateus 24:21-22). Quando o apóstolo João teve a visão na ilha de Patmos, o próprio Jesus já ressuscitado ordenou-lhe: “Não temas; eu sou o Primeiro e o Último e o que vive; fui morto, mas eis aqui estou vivo para todo o sempre. Amém! Escreve as coisas que tens visto, e as que são, e as que depois destas hão de acontecer” (Apocalipse 1:17b 18ª e 19).

     Enquanto Daniel e Mateus tratam de uma agonia causada pelo aumento da violência e falta de paz no mundo gerada pelo próprio homem, João vê na ilha de Patmos, o julgamento de Deus contra todas as nações que deixaram ser dominado pela maldade e até lutam contra o povo escolhido de Deus.

     Tomando como ponto de partida o Novo Testamento para compreendermos as profecias, logo encontramos ali, a mensagem de Jesus Cristo proclamando o Reino de Deus que haveria de vir, este “Reino de Deus” devemos compreendê-lo como “O Evangelho”, evangelho significa “Boas Novas” Marcos afirma: “E, depois que João foi entregue à prisão, veio Jesus para a Galiléia, pregando o evangelho do Reino de Deus”  (Marcos 1:14) . Precisamos prestar a atenção nos textos bíblicos e entender que, o centro das profecias são as “Boas Novas” que preparam o terreno para o reino de Deus que há de vir. Na passagem de Mateus 24 que já lemos, deixa-nos bem claro, que se Jesus não interferir nos assuntos do mundo, toda geração humana enfrentaria a extinção. E esta possibilidade de extinção em massa passou a ser possível, depois que a Antiga União Soviética e Estados Unidos, criaram a primeira bomba termonuclear (um tipo de bomba 750 vezes mais forte que uma bomba nuclear) e isso não faz mais que 60 anos.

MAIOR-BOMBA

A maior bomba de hidrogênio detonada pelo homem teve força 4000 vezes superior à bomba de Hiroshima. A bomba foi testada em 30 de outubro de 1961, em Nova Zembla, uma ilha no oceano Ártico.

     Quando surgiu esta invenção tão perigosa para a humanidade, o mundo só conhecia três potências nuclear; Estados unidos, União Soviética e a Inglaterra.

     Já por volta de 1960, a China e França passaram a fazer parte do clube nuclear. Hoje, neste exato momento, existe aproximadamente dez nações com inúmeras ogivas nucleares prontas para serem usadas. 

Réplica da Tsar Bomba no Museu de Bombas Atômicas de Sarov.

BOMBA-GUERRAS

Tsar Bomba (ou Царь-бомба, em russo, literalmente “Bomba-Tsar”), é o nome ocidental da RDS-220, a mais potente arma nuclear já detonada. Desenvolvida pela União Soviética, a bomba de 57 megatons (equivale a 57 milhões de toneladas de dinamite.

     O desenvolvimento destas bombas, ainda não parou, não houve nenhuma proibição da sua produção, apesar da fiscalização da ONU e países que fazem parte da cúpula internacional.  Existe uma atenção, com o desenvolvimento de programas nucleares do Irã e Coréia do Norte, inimigos fáceis de Israel e com alta facilidade para o terrorismo.

     Paquistão também não pode ficar de fora desta lista, pois se qualquer quantidade de um arsenal nuclear chegar a cair nas mãos de grupos islâmicos radicais, o destino do mundo com certeza seria mudado em frações de minutos.  O atentado de 11 de Setembro de 2001 dá-nos uma ligeira idéia do que poderia acontecer! Sem esquecer que foram aviões “Seqüestrados”. E o que pode acontecer se seqüestrarem ogivas?

      O-2001-TORRES

     Cada vez que o Paquistão, Emirados Árabes e Arábia Saudita enfrentam uma crise financeira “o que é quase constante”, a situação fica mais critica para o mundo, pois grupos terroristas chamados de Talibans e Al Qaeda, ganham mais força, território e popularidade tornando mais real a possibilidade de um terrorismo nuclear.

     Já pensou, se Usāmah Bin Mühammad bin ‘Awæd bin Lādin, (nascido em 10 de Março de 1957), (em Árabe se escreve: أسامة بن محمد بن عود بن لادن), comumente conhecido como Osama bin Laden, o homem mais procurado do mundo por ser um terrorista internacional, filho de Muhammed Awad bin Laden um pobre imigrante iemenita que se tornou o homem mais rico e poderoso da  Arábia Saudita depois do próprio rei, tivesse posse de um arsenal nuclear?  Até mesmo uma… Simplesmente uma… Ogiva em posse dele, de forma estratégica com certeza faria grande estrago em alguma parte do mundo!

     A coisa não para só nesta região do mundo. Tanto a China quanto a Rússia, países que se mantiveram quebrados e em silencio por muitos anos, agora estão ganhando força, e cada dia buscam provar para o mundo através de eventos e informes dados pela mídia, que estão dispostos a governarem até mesmo o mundo, pois seus sentem-se com força militar e econômica para tal.

CUPULA-CHINA           BASE-GEORGIA

   – CÚPULA DA CHINA    –                          Ataque russo a base da Geórgia

 

Olimpíadas na CHINA – Glamour do ninho de passaro para provar ao mundo que eles podem fazer o que ninguém faz.

OLIMPIADAS-CHINA

     Nos faz lembrar os dias de Noé. “E viu o SENHOR que a maldade do homem se multiplicara sobre a terra e que toda a imaginação dos pensamentos de seu coração era só má continuamente” (Gênesis 6:5). A tendência da humanidade de hoje, está semelhante nos dias de Noé, voltada para a violência, à maldade e incredulidade. Mas, nossa alegria é sabermos que Cristo tem seu plano redentor para seus fieis. “E, como foi nos dias de Noé, assim será também a vinda do Filho do homem. Bem-aventurado aquele servo que o seu senhor, quando vier, achar servindo assim” (Mateus 24;37 e 46).

     Temos o Rei dos reis que vai interferir no curso da história humana para que não seja destruído o plano que Deus desenhou para a terra.

      Como podemos notar, esta profecia não tinha como ter acontecido no passado, já que o homem não possuía armas de destruição em massa. Devo lembrar, que não passa de 60 anos o desenvolvimento de tais armamentos.

TEXTO-MEV

     2º Degrau:   14 DE MAIO DE 1948 –  INDEPENDENCIA E CRIAÇÃO DA

 NOVA PÁTRIA ISRAELúnico estado judeu em todo o mundo.

      Como bom cristão seguidor de Jesus, precisamos estar atentos aos acontecimentos políticos do mundo, principalmente, quando se trata de Israel e sua capital Jerusalém. Este ponto geográfico localizado no Oriente médio, é conhecido por quase todo o mundo como “Terra Santa”.

VISTA-ISRAEL

          Da extensa lista dos acontecimentos que Jesus Cristo falou e Mateus escreveu, temos também a versão de Lucas capítulo 21. Primeiro os seus discípulos lhe perguntam: ”Mestre, quando serão, pois, estas coisas? E que sinal haverá quando isto estiver para acontecer?” (Versículo 7). Sem titubear, Jesus lhes responde que Jerusalém deve ser o ponto central de observação. Que todo acontecimento militar e político que ali acontecerem, anunciam a brevidade da sua vinda: “Quando virem Jerusalém rodeada de exércitos, vocês saberão que a sua devastação está próxima… Pois esses são dias de vingança, em cumprimento de tudo que o que foi escrito ”, (Versículos 20 e 22).

     Para as pessoas que viveram, por exemplo, em 1900, esta passagem bíblica não fazia sentido, mesmo sabendo que no passado incontáveis batalhas foram travadas contra Jerusalém. Seria difícil acreditar, porque a partir do ano 1517, esta Cidade estava sob o domínio do Império Otomano, experimentando quatro séculos de tranqüilidade, já que os judeus eram bem poucos debaixo deste governo. Mas, tudo mudou a partir do século XX. E foi preciso acontecer estas mudanças, para continuar a cumprirem-se às profecias.

      Um texto bíblico encontrado no Antigo Testamento que relata fortemente sobre os eventos que acontecerão nos últimos dias, pode ser encontrado no livro de Zacarias “Eis que vem o dia do SENHOR, em que os teus despojos se repartirão no meio de ti. Porque eu ajuntarei todas as nações para a peleja contra Jerusalém; e a cidade será tomada, e as casas serão saqueadas, e as mulheres, forçadas; e metade da cidade sairá para o cativeiro, mas o resto do povo não será expulso da cidade. E o SENHOR sairá e pelejará contra estas nações, como pelejou no dia da batalha. E, naquele dia, estarão os seus pés sobre o monte das Oliveiras, que está defronte de Jerusalém para o oriente; e o monte das Oliveiras será fendido pelo meio, para o oriente e para o ocidente, e haverá um vale muito grande; e metade do monte se apartará para o norte, e a {outra} metade dele, para o sul”(Zacarias 14:1-4).  Aqui o profeta esta sendo inspirado por Deus para revelar o que aconteceria em Jerusalém em dois tempos; A primeira vez que se cumpre parte desta profecia foi com a invasão romana em 70 d.C “a cidade será tomada, e as casas serão saqueadas, e as mulheres, forçadas; e metade da cidade sairá para o cativeiro, mas o resto do povo não será expulso da cidade”, Este acontecimento foi descritos pelo  historiador judeu do primeiro século, Flávio Josefo, no livro Guerras dos Judeus, que foi publicado cerca do ano 75 d.C. Disse Josefo:  “Ora, o número daqueles que foram levados cativos durante toda esta guerra foi verificado ser noventa e sete mil, como foi o número daqueles que pereceram durante todo o cerco onze centenas de milhares, a maior parte dos quais era na verdade da mesma nação, porém não pertencentes à própria cidade, pois tinham vindo de todo o país para a festa dos pães asmos e foram subitamente fechados por um exército…” (Guerras, livro 6, capítulo 9, seção 3)”.

     O segundo cumprimento da profecia, está para acontecer “Porque eu ajuntarei todas as nações para a peleja contra Jerusalém”. Como sabemos, na anterior foi só os romanos, e desta feita será “todas as nações’”.

     É importante notar que logo no versículo 16, O Senhor mostra para Zacarias, que muitos dos que subiram para lutar contra o povo de Deus, e por sorte escaparam, serão obrigados a subir de ano em ano para adorá-lo assim que o Rei Jesus implantar seu reino milenar com a nova Jerusalém. “Todos os que restarem de todas as nações que vieram contra Jerusalém, subirão de ano em ano para adorar o Rei, o SENHOR dos Exércitos” (Zacarias 14:16). O que podemos dizer sobre este capítulo de Zacarias é; ele nos revela os acontecimentos do período pré-retorno do arrebatamento – o que estamos vivendo agora – e do momento em que Jesus volta já com sua igreja para destruir o mal e reinar.

 “E, naquele dia, estarão os seus pés sobre o monte das Oliveiras, que está defronte de Jerusalém para o oriente; e o monte das Oliveiras será fendido pelo meio, para o oriente e para o ocidente, e haverá um vale muito grande; e metade do monte se apartará para o norte, e a {outra} metade dele, para o sul”.

MONTE-OLIVEIRAS

Vista do Monte das Oliveiras

      Para falar de outra profecia que parte já se cumpriu e outra parte ainda se espera, precisamos voltar para nosso “Triangulo Profético”, pegarmos o Livro de Daniel capítulo 12:11; “E desde o tempo em que o sacrifício contínuo for tirado, e posta a abominação desoladora, haverá mil duzentos e noventa dias”. Seu primeiro cumprimento ocorreu quando o templo foi profanado por Antíoco Epifanes o nono dos reis selêucidas  (175 a 164 a. C.), que está na profecia figurada pelo ‘pequeno chifre’. As suas perseguições aos judeus resultaram numa revolta, chefiada por Judas Macabeu, e na re-consagração do templo (em 165), cerca de três anos depois da sua profanação. Antíoco morreu alguns meses mais tarde. A segunda etapa desta profecia, o próprio Jesus Cristo nos garantiu que se tratam dos acontecimentos dos últimos dias; “Quando, pois, virdes que a abominação da desolação, de que falou o profeta Daniel, está no lugar santo; quem lê, atenda” Veja o que falou Daniel: “Estarão braços do lado dele, que profanarão o santuário e a fortaleza, e tirarão o sacrifício contínuo, estabelecendo a abominação desoladora” (Daniel 11:31). Os sacrifícios precisam primeiro ser estabelecido em Jerusalém, já que os judeus governarão a cidade sob o reinado de Cristo. E se é difícil aceitar ou entender esta colocação “os judeus governarão a cidade”, vejamos as palavras de Paulo aos Romanos “Porventura rejeitou Deus ao seu povo? De modo nenhum…  Deus não rejeitou ao seu povo que ele antes conheceu…   pela transgressão deles veio a salvação aos gentios… não te glories contra os ramos; porém se te gloriares, não és tu o que sustentas a raiz, mas a raiz a ti. Dirás, assim: Alguns ramos foram quebrados, para que eu fosse enxertado… Se tu foste cortado do natural zambujeiro, e contra a natureza foste enxertado em boa oliveira, quanto mais não serão enxertados na sua própria oliveira aqueles que são ramos naturais” (Romanos 11: vv. 1, 2, 11,  18, 19 e 24). Falar da profanação do templo, governo dos judeus a Jerusalém e profecias que lemos neste degrau, há 100 anos atrás era um sonho virtual, já que naquela época não existia nenhum Estado Judeu no oriente Médio.

     Quando a comunidade judia se levantou contra o povo romano em 66 d.C a Judéia teve que enfrentar a fúria dos romanos que quase a destruíram por inteira. No ano 132, d.C novamente foram atacados pelos romanos, e desta feita o pouco que restava que não tinha sido destruído, fugiram para as nações vizinhas.

     A partir do ano 66 da era cristã, até o ano 1948, os judeus ficaram sem uma pátria, para se cumprir a palavra do Senhor dita a Moisés 1450 anos a.C “E o SENHOR vos espalhará entre todos os povos, desde uma extremidade da terra até à outra; e ali servireis a outros deuses que não conheceste, nem tu nem teus pais; ao pau e à pedra”.

 1948

     1948, quando se estabelece o “Novo estado de Israel” os judeus voltam a ter uma pátria.

     Aqui cumpriu o que disse o Profeta Isaías cerca de 700 anos a.C: “Quem jamais ouviu tal coisa? Quem viu coisas semelhantes? Poder-se-ia fazer nascer uma terra num só dia? Nasceria uma nação de uma só vez? Mas Sião esteve de parto e já deu à luz seus filhos” (Isaías 66:8). Mesmo com a criação do novo estado de Israel, já tiveram que enfrentar três ataques militares; um em 1948, quando veio sua liberdade, o segundo em 1967 e outro em 1973, sem falar os diversos ataques terroristas e ameaças dos seus vizinhos que sonham em ver novamente o seu fim. Enquanto escrevo este estudo, a um confronto entre Israel e a Palestina, em 27 de Dezembro de 2008.

HAMAS-2008

27 de Dezembro de 2008. Conflito entre Israel e o Hamas.

    Mais uma vez, fica claro para nós, que este segundo degrau das profecias não tinha como ter se cumprido antes desta nossa geração!

 

     3º  Degrau:  DANIEL 11 VERSÍCULO 40.

      Neste versículo podemos encontrar duas profecias de importante valor para nosso estudo: “No tempo do fim o rei do sul se envolverá em combate, e o rei do norte o atacará com carros e cavaleiros e uma grande frota de navios. Ele invadirá muitos países e avançará por eles como uma inundação” (Daniel 11:40 – NVI).

 Se quisermos entender esta profecia, precisamos conhecer um pouco da vida de Alexandre Magno, rei da Macedônia.

     ALEXANDRE-MAGNOFoi o mais célebre conquistador do mundo antigo viveu de 356 a 323 a.C, era filho de Filipe II da Macedônia e de Olímpia do Épiro, mística e ardente adoradora do deus grego Dionísio. Em sua juventude, teve como preceptor o filósofo Aristóteles. Tornou-se rei da Macedônia aos vinte anos, na seqüência do assassinato do seu pai. A sua carreira é sobejamente conhecida: conquistou um império que ia dos Bálcãs à Índia, incluindo também o Egito e a Báctria (aproximadamente o atual Afeganistão). Este império era o maior e mais rico que já tinha existido. Existem várias razões para esses grandes êxitos militares, um deles é que Alexandre era um general de extraordinária habilidade e sagacidade, talvez o melhor de todos os tempos, pois ele nunca perdeu nenhuma batalha e a expansão territorial que ele proporcionou é uma das maiores da história, a maior expansão territorial em um período bem curto de todos os tempos. Além disso, era um homem de muita coragem pessoal e de reconhecida sorte. Ele herdou um reino que fora organizado com punho de ferro pelo pai, que tivera de lutar contra uma nobreza turbulenta, as ligas lideradas por Antenas, e Tebas (a batalha de Queroneia representa o fim da democracia ateniense e por arrastamento das outras cidades gregas e de uma certa concepção de liberdade), revolucionando a arte da guerra. Em 334 a.C., empreendeu sua primeira campanha contra os persas na Batalha de Granico que lhe deu o controle da Ásia Menor (atual Turquia). No ano seguinte, derrotou o rei Dario III da Pérsia na Batalha de Issus. Mais um ano depois, conquistou o Egipto e Tiro, em 331 a.C.. Completou a conquista da Pérsia na Batalha de Guagamela, onde derrotou definitivamente Dario III, o que lhe conferiu o titulo de Imperador Persa.

     CAVALARIA-ANTIGAA cavalaria pesada era constituída pelos hetairoi ou companheiros, formados em esquadrões ilai de 256 ginetes com capacete beócio, couraça de bronze ou linotorax, equipados com xyston ou lança de 3,80m e uma espada. Os militares formavam a unidade de elite de cavalaria aristocrática macedónia, sendo o principal elemento ofensivo. Em situação de combate, formavam à direita dos hypspistas; os nove esquadrões com o esquadrão real de 300 ginetes tomando o lugar de honra, sob o comando de Clito Melas, cujo dever era o de proteger o rei durante as batalhas; à sua esquerda, colocavam-se os outros chefes em 8 esquadrões de 256 homens, subdivididos em 4 unidades de 64 ginetes sob comando de Filotas.

 

 

     O Profeta Daniel, mesmo não tendo nenhum conhecimento deste personagem, nem no nome – pois Alexandre entra no cenário político quando Daniel já havia morrido há aproximadamente duzentos anos – trás relatos no seu livro apontando claramente o seu reinado. O Senhor Deus mostra-lhe por revelações, que assim que o império romano caísse, a Pérsia surgiria como uma forte potência na região, mas logo deveria ser substituída pela Grécia. Com isso, não deve nos surpreender, que a Grécia tenha tido grandes conquistas através de Alexandre Magno.

     A segunda visão que Daniel teve com um carneiro e um bode descritas no seu livro no capítulo 8 relata o que aconteceria entre os reis da Pérsia e Grécia no futuro bem depois da vida do próprio Daniel.  Ele ficou atônito e confuso, pois estava alem da compreensão humana porque a visão não relatava coisas daquela época, nem do reinado ao qual ele pertencia “Eu, Daniel, fiquei exausto e doente por vários dias. Depois levantei-me e voltei a cuidar dos negócios do rei. Fiquei assustado com a visão; estava alem da compreensão humana” (Daniel 8:27).  Como podemos perceber, o Senhor sempre antecipou através dos seus servos, fatos e coisas que aconteceriam no futuro “E o Senhor, Deus de seus pais, lhes enviou a sua palavra pelos seus mensageiros, madrugando…” 2 Crônicas 36:15ª). “Madrugando” isso é, com antecedência.

     Quando lemos a palavra “Chifre”, logo devemos associar a; Governo, poder, realeza. E como lemos, a Pérsia tinha “Dois chifres logos e um era maior que o outro, sendo que o mais comprido cresceu depois do menor”. Esta passagem relata o Império Medo-Persa, formado por duas nações com povos diferentes. Os Persas se tornaram grandes e fortes, antes dos Medos. A derrota dos Persas está descrita assim: “Enquanto eu considerava isso, de repente um bode, com um chifre enorme entre os olhos, veio do oeste, percorrendo toda extensão da terra sem encostar no chão” (v.5). Este “chifre enorme” representa um personagem humano e tem nome; Alexandre Magno. A profecia esta dizendo que seu exercito seria tão poderoso e veloz, que “percorreria sem encostar-se ao chão” na ânsia de conquistar o mundo. Todo esse desejo desenfreado teve um espaço curto de tempo, porque Alexandre só viveu 33 anos, tendo sua morte registrada no ano 323 a.C., Até sua morte e pós-reinado, faz parte das profecias escrita neste capítulo que lemos: “O bode tornou-se muito grande, mas no auge da sua força o seu grande chifre foi quebrado, e em seu lugar cresceram quatro chifres enormes, na direção dos quatro ventos da terra” (v. 8).  Depois que Alexandre morreu, seu reinado foi dividido entre quatro homens de confiança do seu exército. Não que ele tivesse desejado assim, mas, com sua morto, houve disputa entre seus generais os “quatro chifres enormes”. Dois deles formam uma dinastia de influência para o povo judeu que vivia juntamente com eles. Estas duas dinastias fazem parte das descendências de Seleuco, o que governou um grande império desde a Antioquia na Síria até o norte de Jerusalém, e Tolomeu, o que governou do Egito até a Alexandria.  O capítulo 11 de Daniel contém vastas informações e com detalhes sobre os tremendos conflitos que desenrolaria entre estas duas potências chamadas ali de “o rei do norte, e o rei do sul”. É importante sabermos que cada vez que houve luta entre o rei do norte com o rei do sul, o povo judeu foi pisoteado – mas não perseguidos, o que é diferente. A perseguição se deu em outra época.

    

     SEGUINDO COM DANIEL 11, A PROFECIA PULA PARA “O TEMPO DO FIM”.

 

     Vamos ler o versículo 40: “No tempo do fim o rei do sul se envolverá em combate, e o rei do norte o atacará com carros e cavaleiros e uma grande frota de navios. Ele invadirá muitos países e avançará por eles como uma inundação. Também invadirá a Terra Magnífica {A Terra Santa}, e muitos países cairão…”. (v. 40 e 41ª).

 

 

    Não tenho propósito de examinar neste estudo, todos os detalhes desta última parte da profecia de Daniel, esta que podemos descrever como; “o conflito entre o norte e o sul”. Tudo indica que será um – choque de civilizações entre um  governo de uma super potência Européia, ou seja; a ressurreição do império romano (sucessor do governo Sírio Seléucida) com um governante que vem representar o império de Tolomeu do Egito, onde este último agora faz parte todo o mundo islâmico.

     Neste exato momento, que está ocorrendo o conflito entre Israel e a Palestina (Gaza), podemos notar como tem sido fácil uma mobilização dos povos islâmicos e mulçumanos contra Israel. Com isto nos prova que as condições geopolíticas estão alinhadas, em sincronismo total para este inevitável conflito descrito nas profecias entre o reinado do norte e o reinado do sul.

     Tudo que lemos neste terceiro degrau servem de exemplo em comparação com profecias que só em nossos dias encontramos os ingredientes perfeitos para poderem se cumprir. É como um quebra-cabeça, onde as peças agora estão reunidas.

 

DEGRAU:              NOS ÚLTIMOS DIAS AS NAÇÕES DA EUROPA

                                                     DEVERÃO ESTAR UNIFICADA.

         No livro de Daniel encontramos dois capítulos com profecias falando sobre quatro grandes impérios gentio que deveriam se levantar, tanto na época de Daniel como no estabelecimento do futuro Reino de Deus; “Na época desses reis, o Deus dos céus estabelecerá um reino que jamais será destruído e que nunca será dominado por nenhum outro povo. Destruirá todos os reinos daqueles reis e os exterminará, mas esse reino durará para sempre” (Daniel 2:44)

Daniel vivia bem na época deste grande e um dos primeiro império como um dos judeus exilados na Babilônia: “O primeiro parecia um Leão, e tinha asas de Águia. Eu o observei e, em certo momento, as suas asas foram arrancadas, e ele foi erguido do chão,firmou-se sobre dois pés como um homem e recebeu coração de homem” (Daniel 7:4).

     Passado a queda da Babilônia no ano 539 a.C., a Pérsia se converteu em uma superpotência, mas pouco tempo depois, a Grécia conquistou sua força: “A seguir, vi um segundo animal, que tinha a aparência de um urso. Ele foi erguido por um dos seus lados, e na boca, entre os dentes, tinha três costelas. Foi lhe dito: Levante-se e coma quanta carne puder.! Depois disto, vi um outro animal, que se parecia com um Leopardo. Nas costas tinha quatro asas, como as de uma ave. Esse animal tinha quatro cabeças, e recebeu autoridade para governar” (Daniel 7:5-6). Depois da Grécia viria o império Romano o que seria uma potência ‘Espantosa e terrível’. Este império teria “dez chifres” e continuaria até o estabelecimento do Reinado de Cristo no período milenial: “Em minha visão à noite, vi ainda um quarto animal, aterrorizante, assustador e muito poderoso. Tinha grandes dentes de ferro, com os quais despedaçava e devorava suas vitimas, e pisoteava tudo o que sobrava. Era diferente de todos os animais anteriores e tinha dez chifres. Enquanto eu considerava os chifres, vi outro chifre, pequeno, que surgiu entre eles; e três dos primeiros chifres foram arrancados para dar lugar a ele. Esse chifre possuía olhos como os olhos de um homem e uma boca que falava com arrogância. Enquanto eu olhava, ‘tronos foram arrancados, e um ancião se assentou. Sua veste era branca como a neve; o cabelo era branco como a lã. Seu trono era envolto em fogo, e as rodas do trono estavam em chamas. De diante dele saía um rio de fogo e milhares de milhares o serviam…” (Daniel 7:7-10).

     Já foi dito que, chifres representam dirigentes ou governos. Nesta visão, os dez chifres representam dez governos que tentarão exercer com a mesma imponência que o império romano teve no passado, ou tentativas de reerguer o mesmo império romano do Ocidente que caiu no ano 476.

     Girando nosso “Triangulo Profético”, vamos para o livro de Apocalipse 17:12-13, onde podemos encontrar o Senhor falando novamente em visão com outro profeta que viveu cerca de 650 anos depois de Daniel. : “Os dez chifres que você viu são dez reis que ainda não receberão reino, mas que por uma hora receberão autoridade como reis, junto com a besta. Eles têm um único propósito, e darão seu poder e sua autoridade à besta”. São confirmações da passagem que lemos no livro de Daniel “(..)Era diferente de todos os animais anteriores e tinha dez chifres…  vi outro chifre, pequeno, que surgiu entre eles; e três dos primeiros chifres foram arrancados para dar lugar a ele…”. Estes versículos 12 e 13, fala também da mesma tentativa de reabilitar o antigo império Romano. Não resta duvida que estes governos vão “guerrear contra o Cordeiro, mas o Cordeiro o vencerá, pois é o Senhor dos Senhores e o Rei dos reis...” (v.14). Já esta profecia, será para o futuro, o período amargendon.

     Já foram incontáveis as tentativas para unificar a Europa, isso dede Justiniano no século sexto, passando por Carlo Magno, Napoleão, Hitler e até Mussolini; todos com um só objetivo e fazendo uso da força para tentar alcançar este grande êxito. Mas esta restauração ou ressurreição final do império Romano não se dará como tentaram estes homens citados acima, pela força e violência. Observe no que lemos em Apocalipse “e darão seu poder e sua autoridade à besta” que fala de uma unificação a besta de forma voluntária. É preciso lhe chamar a atenção para o que vou escrever a seguir:

Pouco a pouco temos visto nos noticiários, como as comunidades Árabes estão se unindo, como facções terroristas estão ganhando território, como o povo muçulmano tem se espalhado pelo mundo e pressionado o cristianismo – algo que devemos prestar muita atenção, pois sabemos que na janela 10/40, a Bíblia Sagrada é destruída e Cristãos presos todos os dias. Com o conflito que esta ocorrendo entre Israel e a Palestina nesta passagem de 2008 para 2009, podemos ver fortemente árabes e Muçulmanos se unido contra Israel e sua defensiva. Isso já nos mostra que, quando a besta se manifestar, estes “dez chifres” se unirão a besta sem ela os obrigar nem usar da força.        

        Assim que estes dez reis receber poder, automaticamente entregará seus governos para que um só líder, que logo será mundial, governe. A Bíblia chama tanto este líder como seus aliados de “A besta”, identificando-os como a continuação dos quatro impérios que foram revelados a Daniel, sendo cada um representado como um animal selvagem.

     De tudo que falamos e explicamos neste quarto degrau, somente em nossa geração poderão ocorrer. Sabe por que? Porque no ano de 1957 seis nações Européias firmaram ‘O Tratado de Roma’ para formar a “A Comunidade Econômica Européia” (CEE). Na atualidade chamada de; União Européia (EU). Conta com 27 nações como membro. Grande possibilidade para que destas vinte e sete, surja as dez nações e dez dirigentes que provocarão a restauração do império Romano. Tem até quem diga, que os dez reis que as profecias se referem serão dirigentes de dez regiões da União européia que acabarão com as fronteiras dentro da Europa.

     A bíblia não aponta quais nações e nem as regiões que formarão a potência Romana final, Só afirma que esta superpotência surgirá antes de Jesus Cristo voltar. No entanto, temos fortes indícios de algumas delas, porque no ano de 1981 a Grécia foi apontada como a décima nação da EU, cumprindo assim esta profecia.

     DEGRAU:  A ascensão e a caída de Israel e Judá no tempo do Fim.

     O Nome “Israel” aparece pela primeira vez, quando Deus troca o nome do patriarca Jacó, passagem registrada em Gêneses 32. Já as doze tribos de Israel, foram descendentes dos seus doze filhos. Em seguida estas doze tribos formam “Um Reino Unido”.

     Já se passaram cerca de três mil anos desde que o reino de Israel foi dividido em dois. Dez destas doze tribos rebelaram-se contra o rei Roboão, filho do rei Salomão e neto do rei Davi. A bíblia continua se referindo a estas dez tribos como Israel, e as outras duas (Benjamin e Judá) que continuaram fieis aos descendentes de Davi, passaram a ser identificadas como; “Reino de Judá” ou o mais popular…  Judá. Algumas vezes Israel é chamado; “O Reino do Norte” e Judá; ‘O Reino do Sul “. Das tribos do Norte, predominou-se os descendentes de Efrain e Manasses filhos de José, filho de Jacó,  onde o próprio Jacó profetizou que nos últimos dias seriam as nações mais importantes do mundo: “Depois, chamou Jacó a seus filhos e disse: Ajuntai-vos, e anunciar-vos-ei o que vos há de acontecer nos derradeiros dias; José é um ramo frutífero, ramo frutífero junto à fonte; seus ramos correm sobre o muro. O seu arco, porém, susteve-se no forte, e os braços de suas mãos foram fortalecidos pelas mãos do Valente de Jacó (de onde é o pastor e a pedra de Israel). As bênçãos de teu pai excederão as bênçãos de meus pais, até à extremidade dos outeiros eternos; elas estarão sobre a cabeça de José, e sobre o alto da cabeça do que foi separado de seus irmãos. Benjamim é lobo que despedaça; pela manhã comerá a presa, e à tarde repartirá o despojo” (Gêneses 49:1, 22-27). Passado cerca de 200 anos da divisão deste reino, a tribo do norte”Israel” foi derrotada pela Assíria e deportada para o norte do seu império – do império Assírio. Freqüentemente se ouve falar das tribos perdidas, e isso refere-se a esta tribo do norte quando foi destruída pela Assíria. Mas tarde, emigraram para a Europa e permaneceram longe do Oriente Médio.

     Mas de um Século depois da deportação da tribo do norte “Israel” feita pela Assíria, o reino de Judá caiu nas mãos da Babilônia, porem não perderam sua indenidade no curso da história. É o povo que hoje todos nós conhecemos como Judeus.

     O nome Efrain é utilizado algumas vezes na Bíblia com um representativo de todo este reino do norte, e em algumas vezes faz referencia aos descendentes do filho de José que recebeu este nome, o que recebeu a benção do Avô que; “Se converteria em uma multidão de Nações”: “Mas seu pai recusou, e disse: Eu o sei, meu filho, eu o sei; também ele será um povo, e também ele será grande; contudo o seu irmão menor será maior que ele, e a sua descendência será uma multidão de nações” (Gêneses 48:19). É muito importante para nós compreender, que esta promessa feita a Efraín se cumpriu, com a criação do império Britânico.

     Já Manasses, Irmão mais velho de Efraín, também recebeu a benção que se transformaria em uma grande nação e está anotado na parte “a” do mesmo versículo anterior. O cumprimento desta “benção em forma de Profecia” se cumpriu com a formação e crescimento, dos Estados Unidos das Américas.    

     Em uma profecia reveladora acerca dos Estados Unidos e Inglaterra, Jacó ‘ou Israel’ disse: “Seja perpetuado neles o meu nome” Algumas versões dizem: “Seja chamado neles o meu Nome” (Gêneses 48:16). Nas profecias que falam do fim, referindo-se a Israel, freqüentemente estão falando dos países de língua Inglesas a saber; Estados Unidos e Império Britânico, ou aos dois. E em algumas vezes, as menções a “Israel” se referem ainda, as doze tribos. Lógico, em cada leitura, é preciso analisar o contexto para entender de quem o versículo está falando.

     “Judá” sempre refere-se aos Judeus, os descendentes da casa e reino de Judá. Também precisamos entender que a moderna Nação de Israel é, na realidade, “Judá” composta pelos Judeus.

     Entender esta parte crucial da história bíblica nos ajuda a compreender de forma mais clara uma passagem escrita no livro de Oseías, que é uma profecia falando sobre Efraín, “A multidões de Nações: Gran Bretanha e algumas nações que de lá saíram”. Adverte sobre a destruição que seguiria depois da restauração da nação israelita no tempo do fim.

     Quem já Leu o capítulo 5 de Oséias, se deparou com uma profecia falando com Israel, Efrain e Judá, vejamos: “A soberba de Israel testificará no seu rosto; e Israel e Efraim cairão pela sua injustiça, e Judá cairá juntamente com eles” (v.5). Esta profecia continua: “Então irão com os seus rebanhos, e com o seu gado, para buscarem ao SENHOR, mas não o acharão; ele se retirou deles. Aleivosamente se houveram contra o SENHOR, porque geraram filhos estranhos; agora em um só mês os consumirá com as suas porções” (v.6-7).

     O que pode se entender nesta passagem sobre Israel, Efraim e Judá, é que todos cairão em um só mês. Esta é uma profecia que não se cumpriu no dias antigos porque como Já foi dito anteriormente, a antiga Judá foi tomada pela Babilônia, um século depois que Israel já estava sobre o controle da Assíria. Seguramente, a profecia nos garante que neste final de tempo, os três vão ser destruídos em um só mês, que não sejam destruídos no sentido “eliminados do mapa – como deseja alguns”, mas pelo que indica, dominados por algum império, como fez a Babilônia e a Assíria. Vale dizer que esta profecia de Oséias, ainda não se cumpriu.

     Recordemos que Israel deu seu nome a Efraim e Manasses, os ancestrais da Inglaterra e dos Estados unidos respectivamente. Como Efraim é mencionada a parte, ou seja, adicionada junto a Israel nesta profecia “e Israel e Efraim cairão pela sua injustiça” devemos atribuir esse Efraim como o Estados Unidos, na atualidade uma Nação de maior potência que a sua Irmã Inglaterra. Vou dizer novamente: algumas passagens quando se fala “Manasses” refere-se a Inglaterra, outras que fala “Efraim” refere-se ao EUA e “Israel” refere-se aos dois – “Não assim, meu pai, porque este é o primogênito; põe a tua mão direita sobre a sua cabeça… seu pai recusou, e disse: Eu o sei, meu filho, eu o sei; também ele será um povo, e também ele será grande; contudo o seu irmão menor será maior que ele… Em ti abençoará Israel, dizendo: Deus te faça como a Efraim e como a Manassés. E pôs a Efraim diante de Manasses” Gêneses 48:18,19 e 20.

        A Inglaterra é o território mais extenso e mais povoado do Reino Unido. Habitada por povos celtas desde o século V a.C, a Inglaterra foi colonizada pelos romanos entre 43 d.C, e princípios do século V d.C.,

     A história dos Estados Unidos da América é a história de um país relativamente jovem, tendo declarado sua independência em 4 de Julho de 1776, do Reino Unido. Esta independência seria reconhecida pelos britânicos em 1783, no Tratado de Paris.

 

    Como podemos ver na história dos dois países, o Estados Unidos é um jovem irmão da Inglaterra, pois ambos foram descobertos pelos Europeus (Babilônios) muito Antes de Cristo, porem o EUA esteve sob o domínio do Reino Unido até 1776.  “(..)contudo o seu irmão menor será maior que ele…”.  E Hoje é uma potência respeitada Mundialmente.

Em um espaço de dois séculos antes da segunda Guerra Mundial, era o contrário, A Inglaterra ou Império Britânico, tinha mais poder e respeito que os Estados Unidos em todo o mundo. Agora é conhecido de todos, que a Economia dos Estados Unidos tem movido o planeta. Por enquanto!

     Quando lemos; “JUDÀ”, lógico que se refere ao povo Judeu, mas, em especial, a aqueles que vivem no Oriente Médio e que formam a atual Nação de Israel.

     Sendo Assim, a profecia de Oséias se refere as três nações que agora estão em evidência; Estados unidos, Inglaterra e Israel (Judá), de acordo com a profecia, os três vão cair juntos e no mesmo mês.

     “Então irão com os seus rebanhos, e com o seu gado, para buscarem ao SENHOR, mas não o acharão; ele se retirou deles” (v.6).

     Conforme mostra este versículo, os três vão procurar até agradar ao Senhor, mas se darão conta que farão isto tarde demais. Devido seus pecados, Deus permitirá que sofram a derrota.

        Esta é mais uma profecia que não poderia ter se cumprido, antes que a Gran Bretanha e Estados unidos surgissem como grandes potências mundiais – isso se deu a partir do século XIX, e que se formasse o moderno Estado Judeu de Israel – o que só ocorreu no século XX.

    Se toda comparação feita neste Degrau ainda parece uma idéia absurda para alguns, devemos lembrar que Israel e Estados Unidos são como a Unha e a Carne, e criticados por muitos países do planeta terra.

     PARA OS MUÇULMANOS DE LINHA DURA, ESTADOS UNIDOS É CHAMADO COM FREQUENCIA DE “O GRANDE SATANÁS”; JÁ ISRAEL E INGLATERRA SÃO “OS DEMÔNIOS PEQUENOS”.

 

6º DEGRAU:  O Evangelho será pregado em todo o mundo.

     “Uma profecia”, que para nossos dias, podemos dizer que é a mais importante do Senhor Jesus – ele responde a pergunta feita por seus discípulos : “Dize-nos, quando acontecerá essas coisas? E qual será o sinal da tua vinda e do fim dos tempos?” Mateus 24:3 – NVI. Depois de ter feito uma lista dos sinais que indicariam a proximidade da sua volta, revelou ainda: “E este evangelho do Reino será pregado em todo mundo como testemunho a todas as nações, e então virá o fim” (V. 14).

     O Evangelho nos mostra as proeminências do Reino de Cristo que há de vir. A mensagem deste Evangelho não poderia ser pregada no mundo inteiro, sem a Bíblia ter sido publicada livremente e sem que houvesse liberdade religiosa. Algo que se tornou possível, depois do século XVI, pela influência do povo Inglês neste passado não tão remoto vindo até nossos dias.

     Esta pregação em massa, e por longínquas terras ficou mais fácil, depois da segunda guerra mundial, quando os aparelhos de radio e televisão, passaram a serem produzidos em grande escala e ganhando maior popularidade. De lá para cá, os veículos de comunicação mundial vieram a galope, de forma que hoje, com meros 10 reais ou quatro dólares, qualquer pessoa pode ter suas mensagens de texto, áudio ou vídeo publicadas no meio mais moderno de comunicação que é a Internet, sendo está, um tipo de comunicação sem fronteira. Mesmo tendo se passado, 60 anos deste advento tecnológico, sabemos que alguns países ainda mostram resistência em aceitar a mensagem deste Evangelho.

     Que sabemos, são 50 países, de um total de 217, em que ocorre perseguição contra cristãos. Poderíamos falar de muitos deles, mais não entra neste contexto. Uma coisa é certa, com o surgimento da Internet, muitas nações mulçumanas e Islâmicas que não permitem a pregação do Evangelho de Cristo e muito menos o uso da Bíblia Sagrada, estão sendo alcançadas. Este é o único meio que tais governos não conseguem bloquear totalmente. Sendo assim, este evangelho já está podendo alcançar todos os países e pessoas do planeta. Ninguém vai poder dizer que não ouviu falar que “Só Jesus Salva”.  Olhando para este comentário do Senhor Jesus com seus discípulos “este evangelho do Reino será pregado em todo mundo”, só esperamos o momento que Deus tome a decisão, e autorize seu Filho que é chegada a hora do fim.

         Eis ai mais uma profecia que não poderia ter acontecido antes destes dias ao qual vivemos, pois só agora os meios de comunicação nos possibilitam chegar nos lares que não podemos chegar, nos países que não podemos entrar.

   E Último Degrau: Comunicações Instantâneas

     Outra profecia da Bíblia falando dos dias finais que não tinha como ter se cumprido antes desta geração a qual fazemos parte, é relativa a quantidade de equipamentos e satélites que nos trazem todas as informações ocorridas em qualquer parte do mundo, de forma instantânea.

     “E tu, Daniel, fecha estas palavras e sela este livro, até ao fim do tempo; muitos correrão de uma parte para outra, e a ciência se multiplicará” (Daniel 12:4).

Para finalizar, não poderei deixar de lado nosso “Triangulo Profético”.

     Nos evangelhos (Mateus, Marcos e Lucas) Jesus Cristo mostrou com detalhes, os desastres que ocorreriam no cenário mundial, isso com freqüência e de forma intensiva. Chegaria a serem tão fortes, que as pessoas passariam a viver com medo: “Os homens desmaiarão de terror, apreensivos com o que estará sobrevindo ao mundo; e os poderes celestes serão abalados” (Lucas 21:26). Podemos notar em nossos dias, como já existe um clamor ou temor com tantas catástrofes naturais e acontecimentos ruim. As pessoas não mais vivem sossegadas em canto algum, o nível de segurança está se aproximando do percentual zero (0), em todos os sentidos da vida.

     Porem, depois que Jesus falou: “Os homens desmaiarão de terror”, depois que Ele subiu aos céus, depois que o evangelho passou a ser pregado…  Tais sinais tiveram inicio para que houvesse o tempo necessário para sua intensificação. Só que, do século XIX para trás, quando acontecia um terremoto ou qualquer catástrofe em um local, demorava meses ou até anos para a noticia chegar a um povo que estivesse muito distante.

   Quando deu-se inicio a era moderna, tais noticias começaram ir mais longe e mais depressa através de panfletos, jornais ou revistas. Depois os meios de comunicações já citados no degrau anterior. Agora, para que tudo isso se tornasse possível, era preciso a criação de satélites em órbita da terra levando estas informações a qualquer ponto e qualquer lugar o mais depressa possível.

CONEXAO-SATELITES       

Quanto mais chegar informações do cumprimento destes sinais até os lares e ouvidos das pessoas, mais elas passarão a viverem assustadas e com medo.

     Vivendo com medo ou não, era preciso a tecnologia cegar ao ponto que cegou, para que faça-se possível cumprir Apocalipse capítulo 11; onde as pessoas de todo o mundo deverão conhecer as duas testemunhas de Deus que farão sua missão nos dias final.

     Nos faz lembrar, dois profetas do Velho Testamento que defenderam muito os mandamentos de Deus e seu povo, Elias e Eliseu. “Darei poder às minhas duas testemunhas, e eles profetizarão durante mil duzentos e sessenta dias, vestidas de pano de saco. Quando eles tiverem terminado o seu testemunho, a besta que vem do abismo os atacará. E irá vencê-los e matá-los. Os seus cadáveres ficarão expostos na rua principal da grande cidade, que figuradamente é chamada Sodoma e Egito, onde também foi crucificado seu Senhor. Durante três dias e meio, gente de todos os povos, tribos, línguas e nações contemplarão seus cadáveres e não permitirão que sejam sepultados. Os habitantes da terra se alegrarão por causa deles e festejarão, enviando presentes uns aos outros, pois esses dois profetas haviam atormentado os que habitavam na terra” (vv.3,7-10).

Como seria possível o mundo inteiro ver estes dois corpos mortos na rua principal de Jerusalém, sem a TV via Satélite? Hoje, até os aparelhos de Celulares já possuem televisão, Internet e etc… 

    Sem dúvida, esta profecia não poderia ter acontecido antes de ter chegado esta nossa geração e toda parafernália tecnológica que esta ai.

     Neste estudo pegamos sete circunstâncias descritas na Santa Bíblia e pudemos comparar com o passar das gerações e suas possibilidades para que pudessem acontecer.

Sejamos firmes e constantes, pois logo irá raiar um novo dia, o dia que se cumprirá de forma palpável a passagem que o Senhor Jesus Disse para Tomé: bem-aventurados os que não viram e creram(João 20:29b).

     Alegrando-nos na Esperança de uma vida incomparável que nos aguarda no porvir, “como está escrito: As coisas que o olho não viu, e o ouvido não ouviu, E não subiram ao coração do homem, São as que Deus preparou para os que o amam”  (I Coríntios 2:9). AMEM! 

           

Uma iluminação de DEUS a:

AGNALDO DA SILVA SANTANA

 Em Dezembro de 2008/2009.

 

Colaboração de algumas passagens: Revista Buenas Noticias

Estudo: Quantas Profecias Devem acontecer Antes da Volta De Cristo?

Ponto de Fé: Ministério Espírito de Vida

https://espiritodevida.com.br

Finalização; 26 Março 2009.

Studio CS3 – São Paulo.

 

 

      

 

 

Tags,

end-of-the-world-apocalypti

Três Perguntas a Jesus sobre o fim

Que sinal haverá antes da tua vinda?

apocalipse fim

ESTUDOS BÍBLICOS – Falta muito pouco para que o Senhor cumpra sua missão de levar nossos pecados ao calvário. Uma triple pergunta de seus discípulos motivou esta solene resposta do Salvador, o diálogo é breve, porem muito significativo: “E Quando Jesus ia saindo do templo, aproximara-se dele os seus discípulos para lhe mostrarem a estrutura do templo. Jesus, porem lhes disse: não vedes tudo isto? Em verdade vos digo que não ficará aqui pedra sobre pedra que não seja derribada. E, estando assentado no monte das oliveiras, chegaram-se a ele os seus discípulos, em particular, dizendo: Dize-nos quando serão estas coisas e que sinal haverá da tua vinda e do fim do mundo?
E Jesus, respondendo, disse-lhes: Acautela-vos, que ninguém vos engane, porque muitos virão em meu nome, dizendo: Eu sou o Cristo; e enganarão a muitos.” (Mat. 24:1-5).
Não me cabe a menor dúvida, de que nestas palavras, ” Diz nos, quando serão estas coisas e que sinal haverá da tua vinda e do fim do mundo? “(Mat. 24: 3b) temos um rascunho completo dos principais acontecimentos proféticos e uma correta ordem cronológica. Depois que lhes mostraram a singular construção do templo e demais edifícios em suas proximidades, Jesus lhes disse que vinha o dia quando o templo seria destruído até não ficar pedra sobre pedra. O Senhor não lhes disse quando sucederia isto, mas hoje sabemos que ocorreu no ano 70 de nossa era, quando os exércitos do general romano Tito, quem no ano 79 se converteu imperador de Roma, sitiaram a Cidade e a tomaram. Hoje descrições arrepiantes do que ocorreu então. Flavio Josefo, o historiador judeu, oferece muitos detalhes sobre o cerco da Cidade e como caiu finamente em mãos dos romanos. Alguns historiadores dizem que cerca de um milhão e trezentos mil judeus morrem pelas mãos dos romanos.
Neste mesmo dia, momentos antes, Jesus, prevendo tudo quanto lhes esperava, lhes disse: ” Jerusalém, Jerusalém, que mata os profetas e apedrejas os que ti são enviados! Quantas vezes quis eu ajuntar os teus filhos, como a galinha ajunta os seus pintos debaixo das asas, e tu não quiseste! Eis que a vossa casa ficará deserta. Porque eu vos digo que, desde agora, me não vereis mais, ate que digais: Bendito o que vem em nome do Senhor! ” (Mat. 23: 37-39). Esta declaração de Jesus se cumpriu com exatidão. Não somente Jerusalém e o tempo judeu foram destruídos, si não a diferença das outras diásporas, quando os judeus foram dispersos, expulsados de seu território, desta vez tiveram que fugir por todo o mundo. Em relação a isto mesmo, Jesus também lhes disse:
“Mas, quando virdes Jerusalém cercada de exércitos, sabei, que é chegada a sua desolação. Então, os que estiverem na judéia, que fujam para os montes; os que estiverem no meio da cidade, que saiam; e, os que estiverem nos campos, que não entrem nela. Porque dias de vingança são estes, para que se cumpram todas as coisas que estão escritas. Mas ai das gravidas e das que criarem naqueles dias! Porque haverá grande aflição na terra e ira sobre este povo. E cairão a fio da espada e para todas as nações serão levados cativos; e Jerusalém será pisada pelos gentios, até que os tempos dos gentios se completem. (Lucas 21:21-24”.

Sinal 2

É admirável a exatidão com que se cumpriram estas palavras, pois tudo quanto Jesus disse aqui, já é história. Jerusalém foi rodeada pelo exército estrangeiro – Os Romanos. Israel foi disperso por todo o mundo e os judeus viveram sem pátria, sem nação própria, quase meio século, pois próximo ao ano 1948 se restabeleceram na terra dos seus antepassados. Assim mesmo, levaram algum tempo para recuperar toda a cidade de Jerusalém, a qual caiu sobre o domínio na guerra dos seis dias, em junho de 1967. Mas… Podemos dizer que Jerusalém já não esta mais ” Controlada por Gentios”?
Muitas coisas mais sucederam nesta diminuta nação, mas o que agora nos interessa, é o que Jesus disse a seus discípulos de modo a responder sua triple pergunta. Eles queriam saber: 1º Quando seria destruída Jerusalém, 2º Qual seria o tempo, 3º Quando seriam dispersos os judeus por todo o mundo. O Senhor, mesmo assim, não lhes deu data exata.
Hoje olhando retrospectivamente, notamos que, quando Jesus esteve ante Pilatos, e quando este lhe apresentou ao povo, declarando que era inocente, essa multidão sem saber, ” Profetizou em coro ” dizendo:
“Seu sangue seja sobre nós, e sobre nossos filhos” (Mat. 27:25)
De fato, sem perceberem desta trágica profecia coletiva, uns 37 anos depois, quando muitos deles ainda vivam e seus pequeninos de braços, estavam em seus 37 a 40 anos de idade, chegou o derramamento de sangue deles e de seus filhos.
Mas, o que mais nos chama a atenção, é a segunda parte da triple pergunta dos discípulos: ” E qual sinal haverá de sua vinda?”. Esta ” vinda” abrange o arrebatamento da igreja, o mesmo que, sua vinda com a igreja para estabelecer o Reino Milenar. Ambos eventos estão incluídos aqui, já que a parte final da pergunta, eles lhe interrogaram sobre Ao fim dos séculos, que corresponde o juízo dos impios ante o perante o trono branco. Nossa analise se concentra agora na resposta de Jesus ao ” Sinal ” (singular) que eles lhe determinam. É como se os discípulos quisessem saber dos Sinais si não! de um sinal específico. 
No mesmo capitulo Jesus menciona outros “sinais” que anunciarão a proximidade de sua vinda, como por exemplo; “Guerras e rumores de guerras… se levantarão nação contra nação, e reino contra reino, y haverá pestes, fome e terremotos em diferentes lugares” (Mat. 24:6-7). Mesmo assim, Jesus primeiro lhes deu ” O sinal” para que eles, que neste momento representavam os cristãos, a igreja, poderia reconhecer facilmente quando estaria bem próximo o dia do seu regresso, que começaria com o rapto. Esta é a solene advertência do Senhor: ” Veja que ninguém vos engane. Porque virão muitos em meu nome; dizendo; Eu sou o Cristo; e a muitos enganarão”.
Jesus lhes fez ver que a característico principal de que o tempo da graça estava chegando ao fim, seria a invasão de falsos pregadores, falsos ensinadores da bíblia, falsas igrejas, falsos messias e falsos cristãos. Também Jesus destacou que muitos seriam desviados e seguiriam a estes falsos ” cristos”. Ainda que, a questão fome, guerras, terremotos e pestes é horrível, estas experiências, mesmo assim purificam a igreja. Quando há sérios apertos, que sejam; sociais, políticos, econômicos, problemas de saúde física, enfermidades e tudo quanto nos conduz a um beco sem saída, o que ocorre com os cristãos, é que em tais circunstâncias se aproximam mais do Senhor. Mas, quando à saúde, quando desfrutamos de paz no país, quando economia segui crescendo, quando nosso trabalho não esta em perigo, no geral, debilita-se a vida espiritual. Mas, quando nos vemos rodeados de insegurança ameaças de guerras, alguma enfermidade incurável o a morte inesperada de algum ser ente-querido, então, si busca mais refúgio em Deus.

Sinal 3 

Os discípulos queriam que o Senhor lhes desse um sinal, porque certamente esperavam simplificar o trabalho em reconhecer o verdadeiro perigo, justamente antes do regresso do Salvador. Jesus lhes disse, que tivessem cuidado com as falsas doutrinas, falsos pregadores, falsos teólogos, falsos mestres, falsos evangelistas e falsas igrejas.

Amem.

Meditação: 16/04/2006
“Apostasia”
Escrito em: Maio/2006 – re-edição abril de 2019.
Por: Pr. Agnaldo Silva

Tags, ,