NATAL É O DIA do NASCIMENTO DE "JESUS"?

DIA-DE-NATAL

NATAL É O DIA do NASCIMENTO DE “JESUS”?

Todos nós estamos acostumados a viver o final de ano, com a sensação de estarmos mais próximos do Cristo, porque o Messias trás paz, Alegria e Esperança. Adorar “JESUS MENINO” é maravilhoso. É ouvir o choro ou sussurro da criança em um ambiente que exige por si só, silencio comemoração e carinho para com o recém nascido. O que diremos, pois do Messias adulto, com uma voz que clama no deserto? Sabemos que, do dia em que Ele foi gerado no ventre até o seu nascimento, o envolvimento do Espírito Santo contagiou a todos, grandes e pequenos, e mesmo em nossos dias falar do seu Nascimento é maravilhoso. Mas, o que torna esse Jesus o “SALVADOR DO MUNDO” não é seu nascimento, porem, sua mensagem, seu sacrifício e vitória sobre o madeiro e sobre o inferno.

    É costume de todos nós, comemorarmos o aniversário de um ente-querido enquanto ele esta com vida, e depois que este morre, passam-se a recordar seus feitos e bravuras. O que tem levado multidões comemorar o nascimento de Cristo, se ele já “não esta aqui, mas ressuscitou”? Realmente o dia 25 tem a ver com o nascimento de Cristo o MESSIAS?

    Continue lendo este estudo, e se ainda não é do seu conhecimento, passaras a ver esta data com novos olhos, os “Olhos do Espírito de Vida”. 

Perceba algumas datas idênticas, propositalmente:  

_ O dia 25 de Dezembro foi escolhido pelo papa Júlio I para substituir parcialmente outra festa que era comemorada próxima a esta data, o dia que no império Persa era conhecido como; “Dies Solis Invicti Nati” ou “O aniversário do Unconquered Domingo”. Os romanos passaram a festejar a Saturnália nessa época do ano porque ocorre um “Solstício solar”.

    _ Na Mesopotâmia, o povo festejava nesta data, seu deus por nome “Marduk” que para eles era o deus da luta contra as forças do mal. Já os gregos, acreditavam que no final de Dezembro, o deus “ZEUS” renovava sua batalha contra a “KRONUS e os TITÂS”.

    _ O papa Júlio se empenhou para transformar esta festa que estava enraizada por centenas de anos, em uma comemoração solene da “NATIVIDADE”. Segundo a história nos revela, este papa, não teve a intenção de forçar uma mudança sobre as pessoas, porem, substituir de ‘Pagãos” para ‘Cristãos”. Gregório Magno escreveu, em 597 d.e.C. que os rituais pagãos não foram removidos “após a súbita”, mas sim “adaptado para o louvor a Deus”.

Como podemos notar em tudo que foi explicado anteriormente, a comemoração do NATAL EM 25 de DEZEMBRO, não faz parte da tradição Cristã, pois a igreja primitiva dos séculos I e II não celebrava esta data.

  Se nós em nossos dias aceitarmos a Saturnália de Júlio I, para que pregarmos o livro de Atos, já que aquela base da igreja não ensinou tais costumes?

       Agora vejamos algumas comemorações que foram realizadas no dia 25 de dezembro para criar um marco na história e nas pessoas:

  1º__ No ano 506, King Clovis I, da Gália, foi batizado no dia 25 de Dezembro “escolha proposital do dia de NATAL” na Cidade de Reims. Clovis, que tinha se unido e formado a tribo Germânica conhecida como “Franks”, abraçou o cristianismo e se esforçou para que todos fossem cristãos. Seu batismo no dia 25 foi estratégico servindo de sinal para que seu povo gostasse da religião cristã. E para esta gente, o natal se tornou popular e com uma forma de reverenciar o batismo de King Clovis.

2º__ Outro dia de “NATAL” que se transforma em uma data de suma importância para a história da França. Foi no dia 25 de Dezembro de 1066, onde o rei Guilherme I, Duque da Normandia – França (1035-1087) conhecido como ‘o conquistador’, assumiu o trono da Inglaterra após sua invasão bem sucedida.

3º__ Na idade média por volta do ano 1100-1500, foi o período em que o cristianismo mais alcançou posições de dominância por todo continente Europeu e Ilhas Britânicas. Durante esta fase da história, o dia de Natal ganhou mais força e se popularizou. Foi quando o Nascimento de Cristo passou a ser celebrado nas catedrais e as comemorações eram formadas com comes e bebes.

4º__ No ano 1252, o rei inglês, Henry III celebrou o dia de Natal preparando uma refeição a partir de 600 bois, salmões assados e tortas de pavão.

5º__ Já no ano de 1420, King Henry V, rei da Inglaterra casou-se com Katherine da França no dia de Natal. Este casamento não faltou comes e bebes, onde os convidados se fartaram à-vontade de; Peixe Boto asado, Fundi, lagostas juntamente com grande variedades de bebidas finas incluindo, burneaux e frument com balien. Para a gente desta época, o Natal foi inesquecível.

    Em nossos dias; Natal é tempo de Presentes, Panetones, Peru, Chester, pernil, vinho e frutas, isso não só para a elite, mas para todos. 

    Como podemos perceber, mediante a tudo que lhes expliquei antes, o espírito natalino sempre esteve ligado à glutonaria, bebidas e um período de festa. Não é diferente em nossos dias! Na atualidade, final de ano é sinônimo de, Compras, presentes, férias e viagens. Lógico que com a abrangência que tudo isso causa na população em massa, gera um clima diferente nas pessoas, cidades e espírito de cada um causado pela forte emoção ou até mesmo uma calmaria pela desaceleração da rotina durante o ano.

    Agora, celebração do Natal ligando-se ao nascimento de Yeshua HaMashiah (Jesus o Messias) , é anti bíblico, primeiro porque é uma mentira, o Messias não NASCEU NO DIA 25 DE DEZEMBRO, “Vós tendes por pai ao diabo, e quereis satisfazer os desejos de vosso pai. Ele foi homicida desde o princípio, e não se firmou na verdade, porque não há verdade nele. Quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso, e pai da mentira” (João 8:44) segundo; Nem Yeshua nem os seus discípulos comemoraram seu Aniversário. E a própria Bíblia diz: “Não ameis o mundo, nem o que no mundo há. Se alguém ama o mundo, o amor do Pai não está nele. Porque tudo o que há no mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida, não é do Pai, mas do mundo”. I João 2:15-16.

Os crentes em Jesus precisam ter consciência que por trás de qualquer empreendimento humano, sempre há uma força ou poder maligno que luta contra a palavra de Deus. E é tão verdade que a Bíblia chega a afirmar: “Nos quais o deus deste século cegou os entendimentos dos incrédulos, para que lhes não resplandeça a luz do evangelho da glória de Cristo, que é a imagem de Deus” II Coríntios 4:4 “ .

    Em nenhum lugar das escrituras encontramos os apóstolos comemorando o nascimento de Cristo, mas encontramos diversas passagens aludindo o poder da CRUZ. A cruz representa a morte de Cristo, sua crucificação, ressurreição e acessão ao céu. “Porque a palavra da cruz é loucura para os que perecem; mas para nós, que somos salvos, é o poder de Deus” I Coríntios 1:18.

    Se estivermos pregando um evangelho a partir de todos os ensinamentos encontrados na Bíblia, como podemos aceitar uma celebração de caráter espiritual, sem encontrarmos respaldo nem na Nova Aliança que já é pregado há quase 2000 anos? Quando Cristo subiu ao monte para ministrar o famoso Sermão da Montanha, seus discípulos estavam ao seu lado e Ele em certo ponto lhes disse; “Seja, porém, o vosso falar: Sim, sim; Não, não; porque o que passa disto é de procedência maligna” (Mateus 5:37). Ele estava dizendo; Pregue só o que for verdade, o que está escrito, pois o mais é mentira ou perdição. Estamos no inicio do Novo Testamento, mas antes de terminá-lo, o livro de Apocalipse 22 :19 Diz:

   “Se alguém tirar alguma palavra deste livro de profecia, Deus tirará dele sua parte na árvore da vida e na Cidade Santa, que estão descritas neste livro”.

    Sejamos sábios e prudentes, revestindo-nos de toda Santa Palavra de Deus, pois só assim; não só, veremos a Deus, como viveremos com Cristo Jesus. AMEM!

 

 Pr. Agnaldo Santana

Comunidade Messiânica Yeshua

Diadema, 19 de Dezembro de 2008.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *