Como obter visto cidadania em Israel?

VISTO-CIDADANIA-ISRAEL

Como obter visto cidadania em Israel?

Israel atrai possíveis imigrantes de todo o mundo, e isso têm uma boa razão.

COLUNA PASTORAL – Israel é lindo, é economicamente e tecnologicamente desenvolvido, tem uma população bem educada que pode entender falantes de inglês antes de aprender hebraico, e o mais importante… é a Terra Santa, um local de peregrinação e muito significado para todas as religiões abraâmicas. 

Mesmo sendo um destino de imigração bastante atraente, Israel tem uma política de imigração restritiva.   Aproveitamos esta oportunidade Joshua Pex, um advogado israelense de imigração , foi entrevistado pelo portal, Israel today,  sobre as complexidades da Aliyah –  ou Aliá (transliteração do hebraico עלייה: = ascensão) é o termo que designa a imigração judaica para a Terra de Israel ( em hebraico, Eretz Israel) –  e a imigração para Israel.

Qual é a dúvida mais comum que as pessoas têm sobre a imigração para Israel?

Essa: “os judeus que vivem fora da sua terra natal são os únicos com direito a imigrar para Israel?” Não é de estranhar que esse equívoco, de forma errônea, seja o mais comum e aceito.

O direito de imigrar para Israel é aberto a judeus, suas famílias e cônjuges, mas também à família e cônjuges de todos os cidadãos, com descendência israelense, independentemente de sua religião. 

VISTO-CIDADANIA-ISRAELQuais membros da família têm o direito de fazer Aliyah?

A Lei do Retorno foi reformada no ano de 1970, para permitir que os filhos e netos dos judeus fizessem a Aliyah para Israel. Qualquer pessoa que se enquadre nas normas de fazer Aliyah, pode trazer seu cônjuge e filhos menores para Israel (até os bisnetos podem imigrar para Israel com sua família).

A imigração conjugal não é restrita pela religião?

 Qualquer cidadão ou residente permanente de Israel pode solicitar que sua esposa entrem e viva em Israel. Este direito de imigração não discrimina pela religião ou gênero de um dos cônjuges. No entanto, alguns cônjuges costumam se casar fora de Israel.

Por que o casal não pode se casar dentro de Israel?

Dentro das fronteiras israelenses, apenas uma forma religiosas de casamento são reconhecidas pelo Estado, a judaica. As autoridades religiosas dentro de Israel não realizam casamentos intra-religiosos. Mas o Estado de Israel reconhece qualquer cerimônia de casamento que tenha sido legalmente conduzida no exterior, mesmo que a outra parte pratique outra crença. Como resultado, muitos casais de fé mista ou casais do mesmo sexo vão até o Chipre ou outro país europeu para se casar. 

E uma vez que o casal é casado, o israelense pode levar o cônjuge estrangeiro para Israel?

É possível que o casal solicite status oficial para os não-israelenses enquanto o cônjuge estrangeiro estiver em Israel. Não só a espera em um país diferente colocará uma pressão sobre o relacionamento do casal, mas o processo burocrático acabará dificultando, assim será muito mais fácil quando ambos os cônjuges estiverem dentro do território de Israel.

Outros membros da família não-judeus podem imigrar para Israel?

Na maior parte, o processo de Aliyah é limitado a judeus, seus filhos, netos e respectivos cônjuges. No entanto, qualquer um que adquira status legal, enquanto tiver idade para servir nas Forças de Defesa de Israel (18 a 25), pode levar seus pais a Israel como pais de um soldado, agora integrado a FDI. Além disso, se o pai de um cidadão israelense é viúvo, idoso e não tem outros filhos menores no exterior, o cidadão pode convidá-lo para Israel.

Mas e aqueles que não têm nenhuma conexão com uma pessoa judia / israelense,  podem imigrar para Israel convertendo-se ao judaísmo?

Por um lado, alguém que se submeteu a um procedimento de Giyur – A palavra hebraica para conversão (giyur) tem o sentido etimológico equivalente a “naturalização” e o convertido é chamado de Guer (em hebraico: גר) – podem se empenhar para fazer Aliyah . No entanto, devem se converter ostensivamente ao judaísmo por amor e respeito pela religião judaica, e não para ganhar uma cidadania israelense. As autoridades israelenses de imigração geralmente desconfiam dos convertidos que buscam imigrar.

E se eu quiser trabalhar em Israel?

As autoridades israelenses de imigração tentam limitar as contribuições de trabalhadores estrangeiros para ocuparem vagas nas posições e setores da economia que, por ventura, não podem ser preenchidos por cidadãos israelenses. Por um lado, as empresas israelenses de mão-de-obra, até buscam mão-de-obra barata e não qualificada do exterior; como trabalhadores da construção civil, trabalhadores rurais e cuidadores de doentes, deficientes e idosos. Por outro lado, entrar no país com  um funcionário estrangeiro, para ocupar um desses poucos setores específicos, requer um visto de trabalhador especializado. Um trabalhador especializado tem que demonstrar que possui habilidades únicas que a empresa contratante exige e que são difíceis de encontrar no mercado israelense. Eles devem receber pelo menos o dobro do salário médio que um cidadão israelense ganharia em seu país.

Posso morar e trabalhar em Israel sem encontrar uma empresa que me contrate como um trabalhador especializado?

Recentemente, em maio de 2019, Israel permitiu que os cidadãos americanos solicitassem um visto de investimento B-5, que concede ao investidor e sua família o direito de viver e trabalhar em Israel. Além disso, o investidor pode trazer cidadãos norte-americanos para Israel como trabalhadores especializados, livres de muitas das restrições usuais de trabalhadores especializados.

Os trabalhadores / investidores podem eventualmente adquirir status de residente / cidadão?

Ao contrário de muitos países do primeiro mundo, Israel não tem um caminho automático para o status legal e permanente para aqueles que viveram e trabalharam no país por vários anos. Mas a falta de opções para adquirir a cidadania israelense sem uma conexão com a pessoa judia / israelense não deve impedi-lo de buscar um visto legal temporário para Israel. Você pode visitar Israel como turista, trabalhar, estudar e ser voluntário em organizações israelenses, explorando esse belo, cultural e espiritual país. 


Este artigo tem sua fonte original no portal Israel Today, com o auxílio de Sasha Kishko, chefe de departamento de conteúdo e traduções da Cohen, Decker, Pex, escritórios de advocacia Brosh e re escrito, ao português, pelo pastor Agnaldo Santana, Ministério Espírito de Vida em, 15 de junho de 2019.


 

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *