Category Archive ESTUDOS BÍBLICOS

historia-protestantismo

História do Protestantismo no Brasil

Período Colonial

  • Os primeiros protestantes chegaram ao Brasil ainda no período colonial. Dois grupos são particularmente relevantes:
  1. Os franceses na Guanabara (1555-1567): no final de 1555, chegou à Baía da Guanabara uma expedição francesa comandada pelo vice-almirante Nicolas Durand de Villegaignon, para fundar a “França Antártica.” Esse empreendimento teve o apoio do almirante huguenote Gaspard de Coligny, que seria morto no massacre do dia de São Bartolomeu (24-08-1572).
  • Em resposta a uma carta de Villegaignon, Calvino e a igreja de Genebra enviaram um grupo de crentes reformados, sob a liderança dos pastores Pierre Richier e Guillaume Chartier (1557). Fazia parte do grupo o sapateiro Jean de Léry, que mais tarde estudou na Academia de Genebra e tornou-se pastor (†1611). Ele escreveria um relato da expedição, História de uma Viagem à Terra do Brasil, publicado em Paris em 1578.
  • Em 10 de março de 1557, esses reformados celebraram o primeiro culto evangélico do Brasil e talvez das Américas. Todavia, pouco tempo depois Villegaignon entrou em conflito com as calvinistas acerca dos sacramentos e os expulsou da pequena ilha em que se encontravam.
  • Alguns meses depois, os colonos reformados embarcaram para a França. Quando o navio ameaçou naufragar, cinco deles voltaram e foram presos: 

  Jean du Bordel, Matthieu Verneuil, Pierre Bourdon, André Lafon e Jacques le Balleur. Pressionados por Villegaignon, escreveram uma bela declaração de suas convicções, a “Confissão de Fé da Guanabara” (1558). Em seguida, os três primeiros foram mortos e Lafon, o único alfaiate da colônia, teve a vida poupada. Balleur fugiu para São Vicente, foi preso e levado para Salvador (1559-67), sendo mais tarde enforcado no Rio de Janeiro, quando os últimos franceses foram expulsos.

  • A França Antártica é considerada como a primeira tentativa de estabelecer tanto uma igreja quanto um trabalho missionário protestante na América Latina.
  1. Os holandeses no Nordeste (1630-54): depois de uma árdua guerra contra a Espanha, a Holanda calvinista conquistou a sua independência em 1568 e começou a tornar-se uma das nações mais prósperas da Europa. Pouco tempo depois, Portugal caiu sob o controle da Espanha por sessenta anos – a chamada “União Ibérica” (1580-1640).
  • Em 1621, os holandeses criaram a Companhia das Índias Ocidentais com o objetivo de conquistar e colonizar territórios da Espanha nas Américas, especialmente uma rica região açucareira: o nordeste do Brasil. Em 1624, os holandeses tomaram Salvador, a capital do Brasil, mas foram expulsos no ano seguinte. Finalmente, em 1630 eles tomaram Recife e Olinda e depois boa parte do Nordeste.
  • O maior líder do Brasil holandês foi o príncipe João Maurício de Nassau-Siegen, que governou o nordeste de 1637 a 1644.
  • Nassau foi um notável administrador, promoveu a cultura, as artes e as ciências, e concedeu uma boa medida de liberdade religiosa aos residentes católicos e judeus.
  • Sob os holandeses, a Igreja Reformada era oficial. Foram criadas vinte e duas igrejas locais e congregações, dois presbitérios (Pernambuco e Paraíba) e até mesmo um sínodo, o Sínodo do Brasil (1642-1646). Mais de cinquenta pastores ou “predicantes” serviram essas comunidades.
  • A Igreja Reformada realizou uma admirável obra missionária junto aos indígenas. Além de pregação, ensino e beneficência, foi preparado um catecismo na língua nativa. Outros projetos incluíam a tradução da Bíblia e a futura ordenação de pastores indígenas.

Em 1654, após quase dez anos de luta, os holandeses foram expulsos, transferindo-se para o Caribe. Os judeus que os acompanhavam foram para Nova Amsterdã, a futura Nova York.

historia-protestantismo

Brasil Império:

  • O século XIX testemunhou a implantação definitiva do protestantismo no Brasil.
  1. Primeiras manifestações:
  • Após a expulsão dos holandeses, o Brasil fechou as suas portas aos protestantes por mais de 150 anos. Foi só no início do século XIX, com a vinda da família real portuguesa, que essa situação começou a se alterar. Em 1810, Portugal e Inglaterra firmaram um Tratado de Comércio e Navegação, cujo artigo XII concedeu tolerância religiosa aos imigrantes protestantes.
  • Logo, muitos começaram a chegar entre eles um bom número de reformados.
  • Depois da independência, a Constituição Imperial (1824) reafirmou esses direitos, com algumas restrições. Em 1827 foi fundada no Rio de Janeiro a Comunidade Protestante Alemã-Francesa, que veio a congregar, ao lado de luteranos, reformados alemães, franceses e suíços.
  • Um dos primeiros pastores presbiterianos a visitar o Brasil foi o Rev. James Cooley Fletcher (1823-1901), que aqui chegou em 1851. Fletcher foi capelão dos marinheiros que aportavam no Rio de Janeiro e deu assistência religiosa a imigrantes europeus. Ele manteve contatos com D. Pedro II e outros membros destacados da sociedade; lutou em favor da liberdade religiosa, da emancipação dos escravos e da imigração protestante. Ele escreveu o livro O Brasil e os Brasileiros (1857), que foi muito apreciado nos Estados Unidos.
  • Fletcher não fez nenhum trabalho missionário junto aos brasileiros, mas contribuiu para que isso acontecesse. Foi ele quem influenciou o Rev. Robert Reid Kalley e sua esposa Sarah P. Kalley a vir para o Brasil, o que ocorreu em 1855. Kalley fundou a Igreja Evangélica Fluminense em 1858. No ano seguinte, chegou ao Rio de Janeiro o fundador da Igreja Presbiteriana do Brasil, o Rev. Ashbel G. Simonton.
  1. Protestantismo de Imigração:
  • “Ao iniciar-se o século XIX, não havia no Brasil vestígio de protestantismo” (B. Ribeiro, Protestantismo no Brasil Monárquico, 15).
  • Em janeiro de 1808, com a chegada da família real, o príncipe-regente João decretou a abertura dos portos do Brasil às nações amigas. Em novembro, novo decreto concedeu amplos privilégios aos imigrantes de qualquer nacionalidade ou religião.
  • Em fevereiro de 1810, Portugal assinou com Inglaterra, tratados de “Aliança e Amizade e de Comércio e Navegação”. Este, em seu artigo XII, concedeu aos estrangeiros, “perfeita liberdade de consciência” para praticarem sua fé. Tolerância limitada: proibição de fazer prosélitos e falar contra a religião oficial; capelas sem forma exterior de templo e sem uso de sinos.
  • O primeiro capelão anglicano, Robert C. Crane,chegou em 1816. A primeira capela foi inaugurada no Rio de Janeiro em 26-05-1822; seguiram-se outras nas principais cidades costeiras. Outros estrangeiros protestantes: americanos, suecos, dinamarqueses, escoceses, franceses e especialmente alemães e suíços de tradição luterana e reformada.
  • “Quando se proclamou a Independência, contudo, ainda não havia igreja protestante no país. Não havia culto protestante em língua portuguesa. E não há notícia de existir, então, sequer um brasileiro protestante” (B. Ribeiro, ibid., 18).
  • Com a independência, houve grande interesse na vida de imigrantes, inclusive protestantes. Constituição Imperial de 1824, art. 5º: “A religião católica apostólica romana continuará a ser a religião do Império. Todas as outras religiões serão permitidas com seu culto doméstico ou particular, em casas para isso destinadas, sem forma alguma exterior de templo”.
  • 1820 – suíços católicos iniciaram a colônia de Nova Friburgo; logo a área foi abandonada e oferecida a alemães luteranos que chegaram em maio de 1824: um grupo de 324 imigrantes acompanhados do seu pastor, Friedrich Oswald Sauerbronn (1784-1864).
  • A maior parte dos imigrantes alemães foram para o sul: cerca de 4.800 entre 1824 e 1830 (60% protestantes). Primeiros pastores: Johann Georg Ehlers, Karl Leopold Voges e Friedrich Christian Klingelhöffer.
  • Junho 1827: fundação da Comunidade Protestante Alemã-Francesa do Rio de Janeiro, por iniciativa do cônsul da Prússia Wilhelm von Theremin. Luteranos e calvinistas. Primeiro pastor: Ludwig Neumann. Primeiro santuário em 1837 (alugado); o edifício próprio foi inaugurado em 1845.
  • Por falta de ministros ordenados, os primeiros luteranos organizaram sua própria vida religiosa. Elegeram leigos para serem pastores e professores, os “pregadores-colonos.” Na década de 1850, a Prússia e a Suíça “descobriram” os alemães do sul do Brasil e começaram a enviar-lhes missionários e ministros. Isso criou uma igreja mais institucional e européia.
  • Em 1868, o Rev. Hermann Borchard (chegou em 1864) e outros colegas fundaram o Sínodo Evangélico Alemão da Província do Rio Grande do Sul, que foi extinto em 1875. Em 1886, o Rev. Wilhelm Rotermund (chegou em 1874), organizou o Sínodo Rio-Grandense, que tornou-se modelo para outras organizações similares. Até o final da Segunda Guerra Mundial as igrejas luteranas permaneceram culturalmente isoladas da sociedade brasileira.
  • Uma conseqüência importante da imigração protestante é o fato de que ela ajudou a criar as condições que facilitaram a introdução do protestantismo missionário no Brasil. Erasmo Braga observou que, à medida que os imigrantes alemães exigiam garantias legais de liberdade religiosa, estadistas liberais criaram “a legislação avançada que, durante o longo reinado de D. Pedro II, protegeu as missões evangélicas da perseguição aberta e até mesmo colocou as comunidades não-católicas sob a proteção das autoridades imperiais” (The Republic of Brazil, 49).
  • Em 1930, de uma comunidade protestante de 700 mil pessoas no país, as igrejas imigrantes tinham aproximadamente 300 mil filiados. A maior parte estava ligada à Igreja Evangélica Alemã do Brasil (215 mil) e vivia no Rio Grande do Sul.
  1. Protestantismo Missionário:
  • As primeiras organizações protestantes que atuaram junto aos brasileiros foram as sociedades bíblicas: Britânica e Estrangeira (1804) e Americana (1816). Traduções da Bíblia: protestante – Rev. João Ferreira de Almeida (1628-1691); católica – Pe. Antonio Pereira de Figueiredo (1725-1797). Primeiros agentes oficiais: SBA – James C. Fletcher (1855); SBBE – Richard Corfield (1856). O trabalho dos colportores.
  • A Igreja Metodista Episcopal foi a primeira denominação a iniciar atividades missionárias junto aos brasileiros (1835-41). Obreiros: Fountain E. Pitts, Justin Spaulding e Daniel Parish Kidder. Fundaram no Rio de Janeiro a primeira escola dominical do Brasil.
  • Também atuaram como capelães da Sociedade Americana dos Amigos dos Marinheiros, fundada em 1828.
  • Daniel P. Kidder: figura importante dos primórdios do protestantismo brasileiro. Viajou por todo o país, vendeu Bíblias, contactou intelectuais e políticos destacados, como o Pe. Feijó, regente do império (1835-37). Escreveu Anotações de Residência e Viagens no Brasil, publicado em 1845, clássico que despertou grande interesse pelo nosso país.
  • James Cooley Fletcher (1823-1901): pastor presbiteriano, estudou em Princeton e na Europa, casou-se com uma filha de César Malan, teólogo calvinista de Genebra. Chegou ao Brasil em 1851 como novo capelão da Sociedade dos Amigos dos Marinheiros e como missionário da União Cristã Americana e Estrangeira. Atuou como secretário interino da legação americana no Rio e foi o primeiro agente oficial da Sociedade Bíblica Americana. Promotor entusiasta do protestantismo e do “progresso.” Escreveu O Brasil e os Brasileiros, publicado em 1857.
  • Robert Reid Kalley (1809-1888): nascido na Escócia, estudou medicina e em 1838 foi trabalhar como missionário na Ilha da Madeira. Oito anos depois, escapou de violenta perseguição e foi com seus paroquianos para os Estados Unidos. Fletcher sugeriu que fosse para o Brasil, onde Kalley e sua esposa Sarah Poulton Kalley (1825-1907) chegaram em maio de 1855. No mesmo ano, fundaram em Petrópolis a primeira escola dominical permanente do país (19-08-1855). Em 11 de julho de 1858, Kalley fundou a Igreja Evangélica…
  • Depois Igreja Evangélica Fluminense (1863), cujo primeiro membro brasileiro foi Pedro Nolasco de Andrade. Kalley teve importante atuação na defesa da liberdade religiosa. Sua esposa foi autora do famoso hinário Salmos e Hinos (1861).
  • Igreja Presbiteriana: missionários pioneiros – Ashbel Green Simonton (1859), Alexander L. Blackford (1860), Francis J.C. Schneider (1861). Primeiras igrejas: Rio de Janeiro (12-01-1862), São Paulo e Brotas (1865). Imprensa Evangélica (1864), seminário (1867). Primeiro pastor brasileiro: José Manoel da Conceição (17-12-1865). A Escola Americana foi criada em 1870 e o Sínodo do Brasil surgiu em 1888.
  • Imigrantes americanos: estabeleceram-se no interior de São Paulo após a Guerra Civil americana (1861-65). Foram seguidos por missionários presbiterianos, metodistas e batistas. Pioneiros presbiterianos da Igreja do sul dos Estados Unidos (PCUS): George N. Morton e Edward Lane (1869). Fundaram o Colégio Internacional (1873).
  • Igreja Metodista Episcopal (sul dos EUA): enviou Junius E. Newman para trabalhar junto aos imigrantes (1876). O primeiro missionário aos brasileiros foi John James Ransom, que chegou em 1876 e dois anos depois organizou a primeira igreja no Rio de Janeiro. Martha Hite Watts iniciou uma escola para moças em Piracicaba (1881). A partir de 1880, a I.M.E. do norte dos EUA enviou obreiros ao norte do Brasil (William Taylor, Justus H. Nelson) e ao Rio Grande do Sul. A Conferência Anual Metodista foi organizada em 1886 pelo bispo John C. Granbery, com a presença de apenas três missionários.
  • Igreja Batista: os primeiros missionários, Thomas Jefferson Bowen e sua esposa (1859-61) não foram bem sucedidos. Em 1871, os imigrantes de Santa Bárbara organizaram duas igrejas. Os primeiros missionários junto aos brasileiros foram William B. Bagby, Zachary C. Taylor e suas esposas (chegados em 1881-82). O primeiro membro e pastor batista brasileiro foi o ex-padre Antonio Teixeira de Albuquerque, que já estivera ligado aos metodistas. Em 1882 o grupo fundou a primeira igreja em Salvador, Bahia. A Convenção Batista Brasileira foi criada em 1907.
  • Igreja Protestante Episcopal: última das denominações históricas a iniciar trabalho missionário no Brasil. Um importante e controvertido precursor havia sido Richard Holden (1828-1886), que durante três anos (1861-64) atuou com poucos resultados no Pará e na Bahia. O trabalho permanente teve início em 1890 com James Watson Morris e Lucien Lee Kinsolving. Inspirados pela obra de Simonton e por um folheto sobre o Brasil fixaram-se em Porto Alegre, Rio Grande do Sul, estado até então pouco ocupado por outras missões. Em 1899, Kinsolving tornou-se o primeiro bispo residente da Igreja Episcopal do Brasil.
  1. Igrejas Pentecostais e Neo-Pentecostais:
  • As três ondas do pentecostalismo brasileiro: (a) Décadas 1910-1940: chegada simultânea da Congregação Cristã no Brasil e da Assembléia de Deus, que dominam o campo por 40 anos; (b) Décadas 1950-1960: campo pentecostal se fragmenta, surgem novos grupos – 
  • Evangelho Quadrangular, Brasil Para Cristo, Deus é Amor e muitos outros (contexto paulista); (c) Anos 70 e 80: neopentecostalismo – Igreja Universal do Reino de Deus, Igreja Internacional da Graça de Deus e outras (contexto carioca).
  1. Congregação Cristã no Brasil: fundada pelo italiano Luigi Francescon (1866-1964). Radicado em Chicago, foi membro da Igreja Presbiteriana Italiana e aderiu ao pentecostalismo em 1907. Em 1910 (março-setembro) visitou o Brasil e iniciou as primeiras igrejas em Santo Antonio da Platina (PR) e São Paulo, entre imigrantes italianos. Veio 11 vezes ao Brasil até 1948. Em 1940, o movimento tinha 305 “casas de oração” e dez anos mais tarde 815.
  2. Assembléia de Deus: fundadores: suecos Daniel Berg (1885-1963) e Gunnar Vingren (1879-1933). Batistas de origem, abraçaram o pentecostalismo em 1909. Conheceram-se numa conferência pentecostal em Chicago. Assim como Luigi Francescon, Berg foi influenciado pelo pastor batista W.H. Durham, que participou do avivamento de Los Angeles (1906). Sentindo-se chamados para trabalhar no Brasil, chegaram a Belém em novembro de 1910. Seus primeiros adeptos foram membros de uma igreja batista com a qual colaboraram.
  3. Igreja do Evangelho Quadrangular: fundada nos Estados Unidos pela evangelista Aimee Semple McPherson (1890-1944).
  1. O missionário Harold Williams fundou a primeira IEQ do Brasil em novembro de 1951 (São João da Boa Vista). Em 1953 teve início a Cruzada Nacional de Evangelização, sendo Raymond Boatright o principal evangelista. A igreja enfatiza quatro aspectos do ministério de Cristo: aquele que salva, batiza com o Espírito Santo, cura e virá outra vez. As mulheres podem exercer o ministério pastoral.

 Igreja Evangélica Pentecostal O Brasil Para Cristo: fundada por Manoel de Mello, um evangelista da Assembléia de Deus que depois tornou-se pastor da IEQ. Separou-se da Cruzada Nacional de Evangelização em 1956, organizando a campanha “O Brasil para Cristo,” da qual surgiu a igreja. Filiou-se ao CMI em 1969 (desligou-se em 1986). Em 1979 inaugurou seu grande templo em São Paulo, sendo orador oficial Philip Potter, secretário-geral do CMI. Esteve presente o cardeal arcebispo de São Paulo, Paulo Evaristo Arns. Manoel de Mello morreu em 1990.

  1. Igreja Deus é Amor: fundada por David Miranda (nascido em 1936), filho de um agricultor do Paraná. Vindo para São Paulo, converteu-se numa pequena igreja pentecostal e em 1962 fundou sua igreja em Vila Maria. Logo transferiu-se para o centro da cidade (Praça João Mendes). Em 1979, foi adquirida a “sede mundial” na Baixada do Glicério, o maior templo evangélico do Brasil (dez mil pessoas). Em 1991 a igreja afirmava ter 5.458 templos, 15.755 obreiros e 581 horas diárias em rádios, bem como estar presente em 17 países (principalmente Paraguai, Uruguai e Argentina).   
  2. Igreja Universal do Reino de Deus: Fundada por Edir Macedo (nascido em 1944), filho de um comerciante fluminense. Trabalhou por 16 anos na Loteria do Estado (subiu de contínuo para um posto administrativo). De origem católica, ingressou na Igreja de Nova Vida na adolescência. Deixou essa igreja para fundar a sua própria, inicialmente denominada Igreja da Bênção. Em 1977 deixou o emprego público para dedicar-se ao trabalho religioso. Nesse mesmo ano surgiu o nome IURD e o primeiro programa de rádio. Macedo viveu nos EUA de 1986 a 1989, quando voltou ao Brasil, transferiu a sede da igreja para São Paulo e adquiriu a Rede Record. Em 1990 a IURD elegeu três deputados federais. Macedo esteve preso por doze dias em 1992, sob a acusação de estelionato, charlatanismo e curandeirismo.

III. História da Igreja Presbiteriana do Brasil

Atualmente, existem no Brasil várias denominações de origem reformada ou calvinista. Entre elas incluem-se a Igreja Presbiteriana Independente, a Igreja Presbiteriana Conservadora e algumas igrejas criadas por imigrantes vindos da Europa continental, como suíços, holandeses e húngaros. Todavia, a maior e mais antiga denominação reformada do país é a Igreja Presbiteriana do Brasil. Sua história divide-se em alguns períodos bem definidos.

  1. Implantação (1859-1869):

O surgimento do presbiterianismo no Brasil resultou do pioneirismo e desprendimento do Rev. Ashbel Green Simonton (1833-1867). Nascido em West Hanover, na Pensilvânia, Simonton estudou no Colégio de Nova Jersey e inicialmente pensou em ser professor ou advogado.

 Alcançado por um reavivamento em 1855, fez sua profissão de fé e pouco depois ingressou no Seminário de Princeton. Um sermão pregado por seu professor, o famoso teólogo Charles Hodge, levou-o a considerar o trabalho missionário no estrangeiro. Três anos depois, candidatou-se perante a Junta de Missões da Igreja Presbiteriana dos Estados Unidos, citando o Brasil como campo de sua preferência. Dois meses após a sua ordenação, embarcou para o Brasil, chegando ao Rio de Janeiro em 12 de agosto de 1859, aos 26 anos de idade.

Em abril de 1860, Simonton dirigiu o seu primeiro culto em português; em janeiro de 1862, recebeu os primeiros membros, sendo fundada a Igreja Presbiteriana do Rio de Janeiro. No breve período em que viveu no Brasil, Simonton, auxiliado por alguns colegas, fundou o primeiro jornal evangélico do país (Imprensa Evangélica, 1864), criou o primeiro presbitério (1865) e organizou um seminário (1867). O Rev. Simonton morreu vitimado pela febre amarela aos 34 anos, em 1867 (sua esposa, Helen Murdoch, havia falecido três anos antes).

  1. Consolidação (1869-1888).

 

Organização: pastor Agnaldo Santana.

 

 

Tags, , , ,

jesus-ou-yeshua

Jesus ou Yeshua?

Antes porem, que fique claro; “Considero com respeito, sim, todas as demais crenças e/ou ideologias, mas, aqui vou tratar da melhor interpretação da qual, julgo por direito, o Ruach HaKodesh (Espírito Santo) me conduzir, assim como conduziu Mosheh (Moisés) a escrever o Torah [o Pentateuco, 5 primeiros livros das Escrituras Sagradas, como cremos; “A Constituinte do ETERNO onde encontramos todo código moral dessa geração, que seja crente ou ateu],ou os Rabinos a escreverem o Tanakh, pois, toda mensagem do ETERNO deve ser única com Ele o é.”


jesus-ou-yeshua



O Estudo será redigido mediante a seguinte pergunta: Yeshua é só mais um filho, um profeta ou Primogênito do ETERNO Deus?

Para a razão não deve haver confusão: É Crer ou não crer.

Se fixar na teoria de que, a mensagem foi alterada, deturpada etc., etc., ao longo das traduções, em partes, é negar o direito que;  aquele que foi criado antes dos mundos (1 Kefa [Pedro] 1:19 e 20), assuma sua primogenitura.  Certamente, é fidedigno aceitar, também, que em alguns casos houve interesse nas traduções por algum tradutor. Mas, de quem é, ou quem redigiu a TORAH [LEI Escrita]?

_O ETERNO.

_Corretíssimo!

Então, se Adonai tem total interesse em preservar seus mandamentos, isso deverá nos assegurar que Ele agirá com qualquer um, da mesma  maneira a qual agiu com Uza (filho de Avinadav), na época em que David reuniu o povo de Yisra’el para buscar a arca do ETERNO em Kiryat-Ye’arim, história narrada em Divrei-Hayamim (1 Crônicas) 13:9 e 10.

O ETERNO é UNO, SIM! Mas, é preciso percebermos, que esse verbete, Uno (Um) , também significa o designativo do primeiro de uma série ou ordem. Ou seja; Ele é UM, mas possuidor de um Espírito o Ruach HaKodesh, que se move em toda parte e também estava na formação do cosmo, B’reshit 1:2; E, também tem sua terceira Força que lhe completa, que coopera nos seus trabalhos, B’reshit  1:26, onde encontramos o verbo cognato “Fazer” quando o Soberano falou; “Façamos a humanidade a nossa imagem...”. Note! “Façamos… ” um verbo do imperativo, afirmativo que corresponde ao pronome pessoal “Nós” da primeira pessoa do plural majestático.  Vejam quem é Yeshua, que ainda no Tanakh (Velho Testamento), era considerado como a Sabedoria, que estava com  o Soberano na formação do mundo: “Adonai me criou como inicio do seu caminho, o primeiro de suas obras mais antigas. Fui apresentado ao mundo, antes do começo, diante do inicio da terra. Quando nasci, não havia abismo no oceano, nem riachos fluindo com água. Nasci antes de os montes existirem…” Mishlei (Provérbios) 8:22 a 25 – BJC.

Vou parafrasear usando a constituição de uma família:

Quando o jovem e uma jovem começam um relacionamento, logo almejam chegar o casamento, que, na sua maioria, vem a gravidez e a grande expectação para receber e conhecer o seu primeiro filho. Quem nunca chorou, vibrou e paparicou de forma impar, com o primeiro filho(a)? Provavelmente isso ocorre pelo fato de ter criado, uma copia, do seu corpo, ou, de agora ter sua genética reproduzida.  Certamente este é… o Filho(a)!

 Ele, ou ela, com certeza receberá tratamento diferenciado, até porque, é este que vai trazer experiências aos novos pais, de como se deve cuidar com uma vida ou com o seu semelhante.

Agora! Imagine o Eterno, que muito, muito antes que existisse a humanidade Ele gera um Filho, e a esse, qual o título lhe é cabido:

 Filho último? Do meio…? O que veio antes de nós…? Ou, Primeiro Filho do Criador?.

 A esse é que, de forma digna, devemos chamá-lo; PRIMOGÊNITO.

Ninguém vai, e nem deve galgar, a ocupar o lugar Dele. 

Isso, é o que os emissários de Yeshua o Messias; entenderam, a lição que, alguns dos quais vivenciaram sua vinda ao mundo e até outros em nossos dias, não compreenderam nem compreendem! Que o ETERNO o formou, e o amou profundamente, antes mesmo que houvesse luz, para liderar seus irmãos.  História essa que deve nos remeter aos dois filhos de Ya’akov (Jacó) com sua amada esposa Rachel (Raquel); Yosef (José) B’reshit (Gênesis) 30:22-24, e Binyamin (Benjamim) B’reshit 35:16-18; Onde, Yosef foi o Primogênito de Ya’akov com Rachel, da qual representa a vida e ministério de Yeshua, e o segundo filho desse casal chamado Binyamin deve representar Adam  (B’reshit 2:7), até porque o primeiro rei de Yisre’el (Israel) por nome Sha’ul (Saul) é quem representa toda futrica econômica e competitiva da humanidade atual 1 Sh’mu’el (Samuel) 8:10-18.

Yeshua, É o PRIMOGENITO do ETERNO, formado antes mesmo que houvesse luz e terra, assim como Yosef foi o primogênito de Ya’akov! Este Cristo Jesus, como é tratado no idioma português, é o Messias profetizado por Isaías, Davi, Oseias… E é, também, o Nosso Sacerdote Eficiente (Hebreus 9:11). HaLeluYah!

Porquanto, todo sumo sacerdote, sendo escolhido dentre os homens, é designado para representá-los em questões relacionadas com Deus, a favor da humanidade, a fim de oferecer tanto dons quanto sacrifícios pelos pecados…
E, uma vez aperfeiçoado, tornou-se a fonte de salvação eterna para todos quantos lhe obedecem, tendo sido nomeado por Deus sumo sacerdote, segundo a ordem de Melquisedeque.” – Hebreus 5: versos 1, 09 e 10.

AMÉM!

 

Pastor Agnaldo Santana

Comunidade Messiânica  – Ministério Espírito de Vida.

 

Tags, ,

plante-oliveira-em-israel

Participe da Campanha: Plante Uma Oliveira em Israel Em Seu Nome

Qual Cristão não gostaria de plantar sua própria oliveira em Israel e ainda ter seu nome gravado nela? Isso agora é possível.

 

campanha-israel-oliveira

Image 1 of 4

Este projeto, pertencente a Congregation Zion’s Sake, mas será um esforço comunitário que beneficiará todos os envolvidos. Este projeto vai separar dois hectares em uma mesma área para estabelecer essa vinha na região de Kadesh Barnea. Confiando em Deus e sendo guiado pelo *espírito sionista e pioneiro de tornar a Terra de Israel mais verde – *O sionismo (em hebraico: ציונות Tsiyonut) é um movimento político que defende o direito à autodeterminação do povo judeu e à existência de um Estado nacional judaico independente e soberano no território onde historicamente existiu o antigo Reino de Israel (Eretz Israel).

O salmista se comparou a uma oliveira a serviço de Adonai: “Eu, porém, qual oliveira verdejante na casa de Deus, confio no amor divino para todo o sempre!” – Salmos 52:8.

Quantas árvores você puder investir no plantio, todas terão o seu nome!

Vinhas e olivais sempre estiveram nos textos sagrados e pertenceram à Terra Prometida. Quando a nação de Israel entrou na terra prometida, vinhas e olivais foram exatamente o que foi encontrado,  D’varim (Deuteronômio) 6:11. Israel era uma terra de oliveiras D’varim (Deuteronômio) 8:8. O azeite era usado por sacerdotes e profetas para uso cerimonial no templo. Reis foram ungidos com azeite e até mesmo a palavra Mashiach (Messias) significa “o ungido”. As oliveiras simbolizam a conexão entre as pessoas e a terra. Na B’rit Hadashah (Nova Aliança), o apóstolo Paulo diz que o Messias é o tronco de uma oliveira, Israel os galhos e os cristãos das nações enxertados no lugar de alguns israelitas que foram removidos (facções de fariseus e saduceus). O fato de um ramo de oliveira simbolizar a paz não é uma coincidência.

Este projeto vai precisar de você e da ajuda de Deus para que tenha bom êxito! Conforme a experiência dos desenvolvedores deste projeto sabe-se que a agricultura na área planejada não é fácil. Com o clima seco e quente, os fortes ventos do deserto, enormes enxames de gafanhotos e a proximidade da fronteira egípcia. Mas nós vemos isso como um serviço, a mais, e apoio para os agricultores israelenses. Os envolvidos no projeto poderão contar com a cooperação de Oren Shalom, que cultiva vinhas em Israel. O Investimento para uma oliveira será de 95 eruos.

COLOQUE SEUS RAMOS EM ISRAEL!   – ENTRE AQUI Em Israel Today

Cada oliveira patrocinada será marcada com o nome do proprietário e terá sua localização exata marcada no mapa do bosque. O bosque será irrigado durante os primeiros três anos para ajudar no seu estabelecimento. Você receberá um certificado, um mapa indicando a localização da sua árvore e possivelmente uma foto da sua árvore.

 Congregation Zion’s Sake – Congregação A Causa de Sião é uma Congregação Messiânica onde tanto os judeus como os gentios adoram juntos. Não estão ligados ao Ministério Espírito de Vida, más, nós que amamos Jerusalém, nossos patriarcas, a Israel e seu povo, escolhemos essa Congregação para apoiá-los neste trabalho, bem como ao portal Israel Today, considerando que, tanto nós como eles somo Messiânicos, anunciamos o Messias filho de Deus como Rei  que virá e seu Reinado milenar.

Tags, ,

idf-israel

Seja um Voluntário para o IDF em Israel!

ISRAEL ONTEM E HOJE – Juntar-se às Forças de Defesa de Israel para um “trabalho voluntário” é cada vez mais popular entre muitos defensores cristãos desse Estado Judeu.

Para os aventureiros entre nós, aqui estão duas ótimas opções para uma experiência única de Verão e Outono de 2019 para Israel com as Forças de Defesa de Israel (IDF).

Sar-El_logomarca

Logomarca da Sar-El

Sar-El

(Sar-El (em hebraico : שר-אל ; aceso. O Projeto Nacional para Voluntários para Israel ou Serviço para Israel [2] ), é uma organização de serviço sem fins lucrativos, subordinada e sob a direção do Corpo de Logística de Israel, para cidadãos israelenses que vivem no exterior, e que agora desejam finalizar seu status com O militar. O programa também está aberto a cidadãos não-israelenses que desejam participar de um programa de serviço semelhante ao serviço nacional, sem se alistar nas Forças de Defesa de Israel. O programa geralmente consiste em três semanas de serviço voluntário em diferentes bases do Exército, fazendo um trabalho não-combativo – Fonte: Wikipedia).

Desde 1983, Sar-El tem trazido voluntários para Israel para trabalhar em um papel de apoio nas bases da IDF, além de obter uma melhor compreensão cultural de Israel através de palestras guiadas e interação com os israelenses. Sar-El acolheu mais de 160.000 voluntários ao longo dos anos.

Os benefícios deste programa são que além de ajudar o IDF, os voluntários também promovem amizades com soldados israelenses e fazem conexões com os judeus israelenses. O objetivo da Sar-El é que 10.000 voluntários contribuam anualmente para o bem-estar e a segurança de Israel. Voluntários vêm de todo o mundo e no ano passado o programa patrocinado pela IDF recebeu pessoas de mais de 60 países.

Os voluntários são bem-vindos com idade acima de 18 anos e são fisicamente e mentalmente capazes de contribuir com os detalhes do trabalho, conforme fornecidos pela IDF. Muitos cristãos e não judeus juntam-se aos partidários judeus de Israel todos os anos para contribuir para o bem-estar e segurança da pátria do povo judeu.

Visite o site do Sar-El para mais informações.

idf-israel-base

Image 1 of 4

O que é IDF?

As Forças de Defesa de Israel ( IDF ; Hebraico : בָא הַהֲגָנָה לְיִשְׂרָאֵל Sobre esse som Tsva ha-Hagana le-Yisra’el , lit. “O Exército de Defesa para Israel”; Árabe : جيش الدفاع الإسرائيلي ), comumente conhecido em Israel pelo acrônimo hebraico Tzahal ( צה״ל ), são as forças militares do Estado de Israel . Eles consistem das forças terrestres , força aérea e marinha . É a única ala militar das forças de segurança israelenses e não tem jurisdição civil dentro de Israel. A IDF é chefiada pelo seu Chefe de Estado Maior , o Ramatkal , subordinado ao Ministro da Defesa de Israel ; O tenente-general ( Rav Aluf ) Aviv Kochavi é chefe de gabinete desde 15 de janeiro de 2019. – Fonte: Wikipedia.

 

Voluntários para Israel – VFI

O VFI é um programa baseado nos EUA que oferece aos voluntários americanos a oportunidade de servir em uma base militar IDF em cooperação com a Sar-El e inclui trabalhos em escavações arqueológicas, bem como viagens fora dos roteiros conhecidos de Israel.

Aqui estão os seus programas de 2019 da VFI:

VFI-PLUS ARCHEOLOGY (8 a 21 de setembro) traz voluntários para uma base militar e um local de escavação arqueológica ativo, composto por uma equipe internacional e supervisionado pela Universidade de Tel Aviv. Este programa de 14 dias combina 5 dias de trabalho voluntário em uma base da IDF, 5 dias de trabalho em um local de escavação profissional na Cidade de David, ao lado da Cidade Velha de Jerusalém, e 4 dias de passeios personalizados fora da faixa. Localizações.

O VFI-PLUS (25 de outubro a 11 de novembro) foi projetado para voluntários iniciantes e inclui duas semanas de serviço em uma base da IDF, trabalhando ao lado de soldados da ativa e experimentando uma visão interna da vida no exército israelense. Também inclui oito dias de excursões privadas por Israel. O programa de 17 dias, com tudo incluído, também recebe voluntários veteranos.

O VFI-PLUS ADVANCED (Dec. 6-22) foi projetado para repetir viagens a Israel e oferece duas semanas de serviço voluntário em uma base da IDF e oito dias de visitas guiadas a lugares ignorados por muitos passeios. O programa de 17 dias, com tudo incluído, é projetado para voluntários iniciantes e veteranos.



Este artigo tem sua fonte original no portal Israel Today, fotos do portal Sar-El e re-escrito, ao português, pelo pastor Agnaldo Santana, Ministério Espírito de Vida em, 15 de junho de 2019.

Tags, , , ,

israel-mira

Israel sempre na mira

MUNDO – É um fato, que neste planeta, Israel tem sido o calo para a maioria dos países. Para quem se preocupa ou tem interesse em acompanhar essa gente que muito é narrada no Livro Santo, percebe facilmente que, não passa uma semana sem que o povo judeu seja forçado a neutralizar algum tipo de ataques inimigo violento; vindos do norte, sob a forma de mísseis proveniente de Bashar al-Assad na Síria; ou do sul, com foguetes e túneis pelo Hamas e outros grupos terroristas, ou ainda do seu próprio território sob a forma de colisões de veículos, tiros e bombas por terroristas individuais.

Na última semana do mês de abril de 2017, Israel neutralizou outro tipo de ataque que tentou paralisar toda a nação judaica. A National Cyber ​​Defense Authority, anunciou em 26 de abril que neutralizou com sucesso, um ataque cibernético generalizado contra empresas comerciais e infra-estrutura israelense. A ofensiva não foi dirigida contra as agências de defesa, mas contra toda a estrutura da economia israelense. Durante a semana, entre os dias 19 a 23 de abril, mais de 120 organizações israelenses, públicas e privadas, foram atacadas. Os especialistas explicaram que o ataque veio sob a forma de e-mails contaminados. Os hackers se dissimulavam como uma organização legítima falsificava os certificados de segurança de uma empresa confiável e atacaram inúmeras empresas privadas e até ministérios governamentais, corporações públicas e particulares.

Rafi Franco, um alto funcionário da National Cyber ​​Defense Authority, descreveu o ataque como “algo muito sofisticado” explicando que eles receberam e-mails do servidor de uma instituição acadêmica genuína com arquivos contaminados do programa Microsoft Word e que os sistemas de antivírus não conseguiram detectar o ataque. De acordo com o Jerusalem Post, o vírus conhecido como CVE-2017-0199 advertiu um ponto vulnerável na Microsoft, especialmente o Microsoft Word. Felizmente desde então, a Microsoft disse que corrigiu esse problema.

O diretor de um grupo de emergência informática da Autoridade Nacional de Defesa Cibernética, Alberto Hasson, disse: “Este foi um ataque maciço, um dos piores que enfrentamos. A intenção dos atacantes era assumir o controle dos computadores corporativos. Uma vez que isso aconteceu, qualquer um poderia ter nos controlado à vontade. Temos certeza de que conseguimos neutralizar muito o ataque. Fizemos uma séria investigação no último fim de semana. Sabemos, pois mantemos um alto grau de segurança, que nos atacaram e como eles fizeram isso”.

Especialistas em segurança cibernética israelense acreditam que o ataque veio de um dos principais inimigos da nação judaica: o Irã. De acordo com o jornal Haaretz, sua origem foi atribuída a um grupo de hackers – de hackers chamado OilRig. Acredita-se que ele pertença a uma das agências de inteligência da República Islâmica do Irã, que recebe instruções e financiamentos diretamente de Teerã. Depois de neutralizar o ataque, a Autoridade Nacional de Defesa Cibernética prometeu enviar instruções a indivíduos, empresas e ministérios para que possam se proteger de qualquer futuro ataque cibernético. Agradeça a Deus pela intervenção da Autoridade Nacional de Defesa Cibernética, que poderia interromper essa ampla e sofisticada agressão.

Oremos para que Deus continue a conceder a inteligência e a habilidade necessárias aos homens e mulheres que trabalham nesse campo, para proteger a economia de Israel e o empreendimento tecnológico desta grande nação, à qual Deus iluminou as nações, e do qual ele disse através do profeta: “É pouco para mim que você seja meu servo para levantar as tribos de Jacó, e que você possa restaurar o remanescente de Israel; Eu também te dei luz das nações, para que você seja a minha salvação até o fim da terra “(Isaías 49: 6).

Quando estou cercado pelo perigo, tu me manténs vivo; tu estendes tua mão quando meus inimigos se enfurecem; com tua mão direita me salvas” Tehillim (Salmo 138: 7).

 

 Comunidade Messiânica Yeshua;

Fonte: RaidoDifuzionAmerica

Tradução; Pr. Agnaldo

Tags

DIA-DE-NATAL

NATAL É O DIA do NASCIMENTO DE “JESUS”?

Todos nós estamos acostumados a viver o final de ano, com a sensação de estarmos mais próximos do Cristo, porque o Messias trás paz, Alegria e Esperança. Adorar “JESUS MENINO” é maravilhoso. É ouvir o choro ou sussurro da criança em um ambiente que exige por si só, silencio comemoração e carinho para com o recém nascido. O que diremos, pois do Messias adulto, com uma voz que clama no deserto? Sabemos que, do dia em que Ele foi gerado no ventre até o seu nascimento, o envolvimento do Espírito Santo contagiou a todos, grandes e pequenos, e mesmo em nossos dias falar do seu Nascimento é maravilhoso. Mas, o que torna esse Jesus o “SALVADOR DO MUNDO” não é seu nascimento, porem, sua mensagem, seu sacrifício e vitória sobre o madeiro e sobre o inferno.

    É costume de todos nós, comemorarmos o aniversário de um ente-querido enquanto ele esta com vida, e depois que este morre, passam-se a recordar seus feitos e bravuras. O que tem levado multidões comemorar o nascimento de Cristo, se ele já “não esta aqui, mas ressuscitou”? Realmente o dia 25 tem a ver com o nascimento de Cristo o MESSIAS?

    Continue lendo este estudo, e se ainda não é do seu conhecimento, passaras a ver esta data com novos olhos, os “Olhos do Espírito de Vida”. 

Perceba algumas datas idênticas, propositalmente:  

_ O dia 25 de Dezembro foi escolhido pelo papa Júlio I para substituir parcialmente outra festa que era comemorada próxima a esta data, o dia que no império Persa era conhecido como; “Dies Solis Invicti Nati” ou “O aniversário do Unconquered Domingo”. Os romanos passaram a festejar a Saturnália nessa época do ano porque ocorre um “Solstício solar”.

    _ Na Mesopotâmia, o povo festejava nesta data, seu deus por nome “Marduk” que para eles era o deus da luta contra as forças do mal. Já os gregos, acreditavam que no final de Dezembro, o deus “ZEUS” renovava sua batalha contra a “KRONUS e os TITÂS”.

    _ O papa Júlio se empenhou para transformar esta festa que estava enraizada por centenas de anos, em uma comemoração solene da “NATIVIDADE”. Segundo a história nos revela, este papa, não teve a intenção de forçar uma mudança sobre as pessoas, porem, substituir de ‘Pagãos” para ‘Cristãos”. Gregório Magno escreveu, em 597 d.e.C. que os rituais pagãos não foram removidos “após a súbita”, mas sim “adaptado para o louvor a Deus”.

Como podemos notar em tudo que foi explicado anteriormente, a comemoração do NATAL EM 25 de DEZEMBRO, não faz parte da tradição Cristã, pois a igreja primitiva dos séculos I e II não celebrava esta data.

  Se nós em nossos dias aceitarmos a Saturnália de Júlio I, para que pregarmos o livro de Atos, já que aquela base da igreja não ensinou tais costumes?

       Agora vejamos algumas comemorações que foram realizadas no dia 25 de dezembro para criar um marco na história e nas pessoas:

  1º__ No ano 506, King Clovis I, da Gália, foi batizado no dia 25 de Dezembro “escolha proposital do dia de NATAL” na Cidade de Reims. Clovis, que tinha se unido e formado a tribo Germânica conhecida como “Franks”, abraçou o cristianismo e se esforçou para que todos fossem cristãos. Seu batismo no dia 25 foi estratégico servindo de sinal para que seu povo gostasse da religião cristã. E para esta gente, o natal se tornou popular e com uma forma de reverenciar o batismo de King Clovis.

2º__ Outro dia de “NATAL” que se transforma em uma data de suma importância para a história da França. Foi no dia 25 de Dezembro de 1066, onde o rei Guilherme I, Duque da Normandia – França (1035-1087) conhecido como ‘o conquistador’, assumiu o trono da Inglaterra após sua invasão bem sucedida.

3º__ Na idade média por volta do ano 1100-1500, foi o período em que o cristianismo mais alcançou posições de dominância por todo continente Europeu e Ilhas Britânicas. Durante esta fase da história, o dia de Natal ganhou mais força e se popularizou. Foi quando o Nascimento de Cristo passou a ser celebrado nas catedrais e as comemorações eram formadas com comes e bebes.

4º__ No ano 1252, o rei inglês, Henry III celebrou o dia de Natal preparando uma refeição a partir de 600 bois, salmões assados e tortas de pavão.

5º__ Já no ano de 1420, King Henry V, rei da Inglaterra casou-se com Katherine da França no dia de Natal. Este casamento não faltou comes e bebes, onde os convidados se fartaram à-vontade de; Peixe Boto asado, Fundi, lagostas juntamente com grande variedades de bebidas finas incluindo, burneaux e frument com balien. Para a gente desta época, o Natal foi inesquecível.

    Em nossos dias; Natal é tempo de Presentes, Panetones, Peru, Chester, pernil, vinho e frutas, isso não só para a elite, mas para todos. 

    Como podemos perceber, mediante a tudo que lhes expliquei antes, o espírito natalino sempre esteve ligado à glutonaria, bebidas e um período de festa. Não é diferente em nossos dias! Na atualidade, final de ano é sinônimo de, Compras, presentes, férias e viagens. Lógico que com a abrangência que tudo isso causa na população em massa, gera um clima diferente nas pessoas, cidades e espírito de cada um causado pela forte emoção ou até mesmo uma calmaria pela desaceleração da rotina durante o ano.

    Agora, celebração do Natal ligando-se ao nascimento de Yeshua HaMashiah (Jesus o Messias) , é anti bíblico, primeiro porque é uma mentira, o Messias não NASCEU NO DIA 25 DE DEZEMBRO, “Vós tendes por pai ao diabo, e quereis satisfazer os desejos de vosso pai. Ele foi homicida desde o princípio, e não se firmou na verdade, porque não há verdade nele. Quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso, e pai da mentira” (João 8:44) segundo; Nem Yeshua nem os seus discípulos comemoraram seu Aniversário. E a própria Bíblia diz: “Não ameis o mundo, nem o que no mundo há. Se alguém ama o mundo, o amor do Pai não está nele. Porque tudo o que há no mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida, não é do Pai, mas do mundo”. I João 2:15-16.

Os crentes em Jesus precisam ter consciência que por trás de qualquer empreendimento humano, sempre há uma força ou poder maligno que luta contra a palavra de Deus. E é tão verdade que a Bíblia chega a afirmar: “Nos quais o deus deste século cegou os entendimentos dos incrédulos, para que lhes não resplandeça a luz do evangelho da glória de Cristo, que é a imagem de Deus” II Coríntios 4:4 “ .

    Em nenhum lugar das escrituras encontramos os apóstolos comemorando o nascimento de Cristo, mas encontramos diversas passagens aludindo o poder da CRUZ. A cruz representa a morte de Cristo, sua crucificação, ressurreição e acessão ao céu. “Porque a palavra da cruz é loucura para os que perecem; mas para nós, que somos salvos, é o poder de Deus” I Coríntios 1:18.

    Se estivermos pregando um evangelho a partir de todos os ensinamentos encontrados na Bíblia, como podemos aceitar uma celebração de caráter espiritual, sem encontrarmos respaldo nem na Nova Aliança que já é pregado há quase 2000 anos? Quando Cristo subiu ao monte para ministrar o famoso Sermão da Montanha, seus discípulos estavam ao seu lado e Ele em certo ponto lhes disse; “Seja, porém, o vosso falar: Sim, sim; Não, não; porque o que passa disto é de procedência maligna” (Mateus 5:37). Ele estava dizendo; Pregue só o que for verdade, o que está escrito, pois o mais é mentira ou perdição. Estamos no inicio do Novo Testamento, mas antes de terminá-lo, o livro de Apocalipse 22 :19 Diz:

   “Se alguém tirar alguma palavra deste livro de profecia, Deus tirará dele sua parte na árvore da vida e na Cidade Santa, que estão descritas neste livro”.

    Sejamos sábios e prudentes, revestindo-nos de toda Santa Palavra de Deus, pois só assim; não só, veremos a Deus, como viveremos com Cristo Jesus. AMEM!

 

 Pr. Agnaldo Santana

Comunidade Messiânica Yeshua

Diadema, 19 de Dezembro de 2008.

Tags, ,

quatro-evangelhos

Por que há quatro evangelhos?

É essencial conhecer que, Existem duas traduções oficiais e primarias das Escrituras Sagradas;

Os Escritos Massoréticos

Os Escritos da Septuaginta.

_ Os Massoréticos foram escribas judeus (escritores do povo israelita) que se dedicaram a preservar as Escrituras Sagradas – As Leis do Senhor Deus ADONAI. Destes é que parte os escritos mais originais, pois vem do próprio povo hebreu, que receberam tais ensinamentos dos patriarcas; Abraão, Isaque, Jacó e Moisés.

_Quanto a Septuaginta, trata-se de uma cópia dos textos originais que foram para nas mãos de um grupo de judeus que habitavam em Alexandria. Estes efetuaram a tradução, desta cópia, para o grego coiné (que é o Grego Helenístico). Esta faceta ficou conhecida como,  VERSÃO DOS SETENTAS, ou, septuaginta, que é palavra latina para setenta pois foram setenta e dois homens que realizaram esta tradução.

Nós do Ministério Espírito de Vida, damos ênfase a bíblia traduzida ao português, a partir do texto massorético. Mesmo que, também, fazemos uso da tradução pela septuaginta.

Quatro Evangelhos

Das divisões e agrupamento da primeira e segunda aliança, será tratado em outra oportunidade.

Dos sessenta e seis livros aceitos pelo cânone judaico, quatro destes são chamados de Evangelhos.

Por que há quatro evangelhos? Não poderia um mesmo escritor ter tratado dos assuntos pertinentes ao Cristo? Esta dúvida é de fácil explicação e ser sanada.

Quando a Comitiva primária e ocular do Messias atende o esse mandado: “..vão e façam discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo, ensinando-os a obedecer a tudo o que eu lhes ordenei. E eu estarei sempre com vocês, até o fim dos tempos” – Mateus 28:19,20; quatro daqueles homens, pôs no coração, cada um representar uma das quatro classes das pessoas de sua época. Sendo cada um deles representantes:

1º_ Do Povo Judeu:

2º_ Dos gregos;

3º_ Do Povo romano;

4º_ E, dos que formavam e formam a “igreja”.

Já é possível perceber que, cada um dos quatro evangelistas buscou adaptar sua mensagem ao modo de viver ou de pensar, dos quatro grupos citados antes. (evangelista é a pessoa que leva adiante uma informação abrindo caminho a uma missão),

O apostolo Mateus, percebeu que, todos os judeus ainda aguardavam que as profecias sobre o Messias se cumprissem, a exemplo: “Mas tu, Belém-Efrata, embora sejas pequena entre os clãs de Judá, de ti virá para mim àquele que será o governante sobre Israel. Suas origens estão no passado distante, em tempos antigos.” – Miquéias 5:2. Daí ele aborda os judeus com esta tônica, Cristo sendo o Marchiah (Messias).

Já o discípulo, Lucas, foca sua mensagem para os gregos. Um povo civilizado e expoentes na filosofia buscando, sempre, descobrirem a perfeição do ser. Assim, ele mostra para este povo Cristo sendo a matriz deste ser perfeito.

O discípulo do apóstolo Paulo e de Barnabé, por nome João Marcos, direciona sua mensagem para o povo romano. Estes, cheios de conhecimentos na política e grandes obras arquitetônicas da época. Conhecedor desse poder dos romanos, o discípulo Marcos entrega sua mensagem mostrado a eles que o Messias que eles crucificaram que é o Poderoso Conquistador que venceu e retornará.

Notavelmente, o quarto escritor se diferenciou dos seus contemporâneos evangelistas, porque adapta sua mensagem, a uma, agora comunidade recém formada que já nasceu a parti das mensagens sobre o Cristo recém crucificado. Este evangelista, chamado João, se tornou apostolo do Messias e seu mais íntimo amigo, a ponto de reclinar no peito durante a celebração da Páscoa. Então, o apostolo João demarca sua mensagem nas maiores verdades sobre as Boas-novas, as qualidades Divinas do Cristo e sobre o Santo Espírito.

Estas quatro formas de abordar as quatro classes diferentes dos povos daquela época, também foi demarcada pela vida e ministério do Apostolo Paulo, ao dizer: “Porque, embora seja livre de todos, fiz-me escravo de todos, para ganhar o maior número possível de pessoas.

Tornei-me judeu para os judeus, a fim de ganhar os judeus. Para os que estão debaixo da lei, tornei-me como se estivesse sujeito à lei, ( embora eu mesmo não esteja debaixo da lei ), a fim de ganhar os que estão debaixo da lei.

Para os que estão sem lei, tornei-me como sem lei ( embora não esteja livre da lei de Deus, mas sim sob a lei de Cristo ), a fim de ganhar os que não têm a lei.

Para com os fracos tornei-me fraco, para ganhar os fracos. Tornei-me tudo para com todos, para de alguma forma salvar alguns.

Faço tudo isso por causa do evangelho, para ser co-participante dele.” – 1 Coríntios 9:19-23.

Dessa maneira fica claro a importância de existirem quatro evangelhos. Para que seja apresentado, por diversos ângulos as qualidades pessoais do homem de Belém Efrata.

_ Discípulo, Lucas, retrata sobre Ele como o Filho do homem;

_ O discípulo, Marcos, apresenta-o como um Conquistador e que veio para Servir;

_Apóstolo, Mateus, não nega que é Ele o Rei que as profecias narravam;

_ Apostolo, João, é o que nos faz ver que o Messias é o Filho de Deus.

Importante perceber que, Todos eles não se preocuparam em escrever nenhuma biografia sobre a vida e ministério do Hamachiah, mas, buscaram conhecer o modo de vida e costumes do povo a qual sua mensagem seria levada e, lhes apresentaram da melhor forma que se adaptasse àquele povo.

Em nossos dias, se aproveitarmos Taís conhecimentos e táticas, ganharem mais vidas para o reino de Deus, do que se optarmos por dificultar a salvação e entrada par ao paraíso, com regras e mais regas impostas por homens assim como os Fariseus e Saduceus. Eles que aguardavam um Messias; Príncipe da Paz, rei sobre a nação israelita se desapontaram e perderam as rédeas, porque o Messias chega como Plebeu e ovelha levado ao matadouro. Em nossos dias, também esperamos a vinda do Messias para nos libertar do mundo mal. E se ele chega e nos surpreende de outra forma, estaríamos preparados ou os Fariseus e Saduceus da nossa época, impostores de regras e dificuldades a salvação, os metralhariam, ao invés de levá-lo a uma cruz novamente? Pense nisso!

 

Pr. Agnaldo Santana

Ministério Espírito de Vida;

03 maio 2019.

Tags,

elias-eliseu

Qual profeta foi elevado aos céus

Poderia ser objetivo e citar o nome, mas, para que se cresça no conhecimento, já que tivemos outros que não participaram da morte, opto em fazer uma breve explanação, a esta pergunta.

Antes do nascimento do Messias/Emanuel, o Deus conosco, e ainda na primeira Aliança,  3 homens foram transformados e elevados a glória Eterna pelo próprio DEUS.

Por que 3?

Porque Adonai ELOHIM (o Senhor DEUS) é trino; PAI, Filho e Espírito Santo.

A partir dessa compreensão, torna-se essencial perceber que ELE usa o número três para realizar sua obra.

É como veremos agora:

1_  Lá nos históricos da primeira Aliança, O Primeiro a ser transladado foi ENOQUE, o bisavô de Noé.  Gênesis 5:24.

Na apresentação dos HERÓIS da FÉ, Hebreus capítulo 11, afirma que;

ENOQUE agradou a DEUS e por isso foi transformado. A morte não atingiu seu corpo.

2_ O Segundo homem a ter seu corpo escondido e elevado pelo ETERNO Deus foi MOISÉS, o escritor das LEIS. Deuteronômio 24:5 e 6.

Na Nova Aliança, livro de Judas, verso nove descreve que o Arcanjo Miguel contendia com o diabo e disputavam o corpo de Moisés.

3_ Já o TERCEIRO, é o personagem trás a resposta a pergunta; Qual profeta foi elevado aos céus?

Livro de II Reis capítulo 2, nos diz que ELIAS foi elevado aos céus em uma carruagem de fogo e que Eliseu o sucedeu com poderes espirituais até maiores que seu mestre.

Todos estes, prefiguravam o tempo da Nova Aliança, onde o Messias Filho do próprio Deus, ao fazer-se homem em carne, alcançaria a transfiguração, PERFEITA, para que todos que Nele tenham Fé possam galgar a ressurreição e vida Plena.

É o que nos apresenta Mateus no capítulo 17 do seu livro, com a sincronização dos relatos anteriores, onde, durante o Ministério do Messias, aqui na terra, em determinado momento ELE pega três homens da sua comitiva e os leva a um monte alto. Ali, Ele afasta-se dos seus emissários e eles o vêem ser Transfigurado diante dos seus olhos. Imediatamente o Messias tem um encontro com dois, daqueles que também foram elevados aos céus;

 _Moisés e o Profeta Elias.

Nesta passagem de Mateus, temos:

3 homens que observam…

3 seres Transfigurados.

Tudo isto fazem parte do zelo e cuidado que o PAI Celestial tem, ao nos provar que existe vida pós a morte e devemos lutar para obtê-la, a Vida Eterna no Reino de Deus. Amem!

 

Pr. Agnaldo Santana

Comunidade Messiânica Yeshua

Dúvidas e Perguntas; Comunidade MG – Ensinos, Christiane Lopes

01 de maio 2019.

Tags,

aquecimento

O QUE É AQUECIMENTO GLOBAL?

MUNDO INFORMAL – O dióxido de carbono e outros gases quentes na superfície do planeta, naturalmente, prendem o calor solar na atmosfera, Isso é uma coisa boa porque mantém o nosso planeta habitável. No entanto, pela queima de combustíveis fósseis, como carvão, gases tóxicos, petróleo e a derrubada das florestas, temos aumentado dramaticamente a quantidade de dióxido de carbono na atmosfera e as temperaturas estão crescendo em ritmos jamais registrados antes.

A maioria dos cientistas concorda que o aquecimento global é real, que isso já está acontecendo graças aos resultados de nossas atividades e não uma ocorrência natural. As provas são irrefutáveis.

fogo-aquecimento-globaAs mudanças estão debaixo dos nossos olhos, geleiras estão derretendo, plantas e animais estão sendo forçados de seu habitat, o número de tempestades, secas, falta d’água  é sem precedentes.

 

O número de furacões na categoria 4…, 5…, 6…,furacao-aqueciemnto

quase duplicou nos últimos 30 anos.

 

viros-malariaO vírus da malária se espalhou para maiores altitudes em lugares como os Andes colombianos, 7.000 metros acima do nível do mar.

gelo-derrete-planetaO fluxo de gelo das geleiras da Groenlândia dobrou nos últimos dez anos.

Pelo menos 279 espécies de plantas e animais já estão respondendo ao aquecimento global, ao aproximarem-se dos pólos.

Se o aquecimento continuar…

Podemos esperar conseqüências catastróficas.   As ondas de calor serão mais freqüentes e mais intensas. Terão secas e incêndios florestais ocorrendo de forma mais freqüente. O oceano Ártico poderia ficar sem gelo, no verão, até 2050. Mais de um milhão de espécies em todo o mundo poderão ser levados à extinção até 2050.

::Conheça o que diz a Bíblia!

Nós cremos facilmente que William Henry o tão conhecido; “Bill Gates”, Fundou a Microsoft. Acreditamos que Roberto Marinho, fundou a rede globo de Televisão…Mas, porque tem sido difícil muitos acreditarem, que DEUS dos Exércitos, criou o Universo e a terra para habitar o Homem? A resposta está na Bíblia: “E viu o SENHOR que a maldade do homem se multiplicara sobre a terra e que toda a imaginação dos pensamentos de seu coração era só má continuamente” (Gênesis 6:5). Deus entregou a todos que não crêem em suas obras e domínio sobre o universo, a um sentimento perverso; “E, como eles não se importaram de ter conhecimento de Deus, assim Deus os entregou a um sentimento perverso, para fazerem coisas que não convêm” (Romanos 1:28). Verdadeiramente, cumpre-se aqui, uma determinação da parte do próprio CRIADOR, DEUS; “Então a serpente disse à mulher… no dia em que dele comerdes se abrirão os vossos olhos, E SEREIS COMO DEUS. – Então disse o SENHOR Deus: Eis que o homem é como um de nós, sabendo o bem e o mal.” (Gênesis 3:4,5 e 22). Esta capacidade de conhecer o bem e o mal, é que tem levado a humanidade ao precipício. Ainda mais, pelo fato do abandono das leis do Senhor. O SENHOR, que habita entre os Querubins e Serafins. O, EU SOU O QUE SOU , é que detêm o controle do Universo, da terra e dos seres viventes. “Quem mediu na concha da sua mão as águas, e tomou a medida dos céus aos palmos, e recolheu numa medida o pó da terra e pesou os montes com peso e os outeiros em balanças? Eis que as nações são consideradas por ele como a gota de um balde, e como o pó miúdo das balanças; eis que ele levanta as ilhas como a uma coisa pequeníssima. Todas as nações são como nada perante Ele; Ele as considera menos do que nada e como uma coisa vã. A quem, pois, fareis semelhante a Deus, ou com que o comparareis? Ele é o que está assentado sobre o círculo da terra, cujos moradores são para ele como gafanhotos; é ele o que estende os céus como cortina, e os desenrola como tenda, para neles habitar; O que reduz a nada os príncipes, e torna em coisa vã os juízes da terra” (Isaías 40: 12, 15, 18, 22 e 23). 

A única condição que resta para toda humanidade, é CRER NO PODER DE DEUS, NO DOMÌNIO QUE ELE TEM SOBRE TUDO NESTE COSMO, e aceitar o sacrifício vivo do seu Filho Amado, o Messias Cristo, tendo-o, como Senhor das nossas vidas. No mais, O Senhor Que habita nos céus irá destruir TUDO!!!  Hei de consumir por completo tudo de sobre a terra, diz o SENHOR. Consumirei os homens e os animais, consumirei as aves do céu, e os peixes do mar, e os tropeços juntamente com os ímpios; e exterminarei os homens de sobre a terra, diz o SENHOR (Sofinias 1:2 e 3).

“Deixemos os ensinamentos anti-bíblicos, e sigamos toda boa obra em caridade e fé. Adoremos e recebamos só a Jesus Cristo como nosso, Rei, Senhor e Salvador. Ele sim pode mover o céu em favor de um servo seu.

Fonte:  AN INCONVENIENT TRUTH

Mortes causadas pelo aquecimento global duplicarão em apenas 25 anos para 300.000 pessoas por ano.

O nível do mar vai aumentar globalmente em mais de 20 pés, com a perda da plataforma de gelo na Groenlândia e na Antártida, devastando zonas costeiras em todo o mundo.

mar-avanca

 

Pr. Agnaldo Silva, Presidente: MEV –

Ministério Espírito de Vida, e Studio CS3

Tags, ,

seguidor-cristo

O modelo de um seguidor de Cristo

Muito tem se falado em EVANGELISMO e até conquistado alguns para o corpo de um templo, mas o triste é notar que uma miríade passa a fazer parte do tronco da oliveira. “Porque quem nisto serve a Cristo agradável é a Deus e aceito aos homens” – Romanos 14:18.

Aceitar a Cristo, ou se tornar um discípulo do Messias, é haver uma transformação de mente a ponto que todos percebem mudanças de comportamentos, manias e maneiras do viver. 

Sem mudança não existe conversão, esta a perfeição sendo a que chama atenção.

Parafraseando com um pouco de história, vale citar o padre José de Anchieta quando chegou ao Brasil (1553 a.C), e foi enviado a cooperar com Manoel da Nóbrega, na região de São Vicente e imediatamente no Planalto de Piratininga, considerado berço da cidade de São Paulo, que, dada a confiança e respeito que Anchieta causou, em qualquer lugar que necessitasse realizar um ensinamento, se exigia sua presença. Isso, graças a um coração generoso, a amigabilidade, bondade e espírito de compreensão que nele infundia para com os nativos e colonos.  Conta-se, que havia um halo de Santidade cercando sua pessoa.

Com sua destreza e desejo de que sua missão tivesse êxito, optou em trabalhar sua platéia através da poesia e do teatro. Esperava que ao utilizar esse método pedagógico, pudesse tornar agradável, seus ensinamentos, a ponto de incuti-la no espírito dos seus alunos. E teve obteve resultados significativos.

Essa deve ser a forma de abordar pessoas para o Reino de DEUS na atualidade,, também, formando líderes que sejam cheio de mansidão, tolerância e bondade a níveis que possam, por natureza, haver uma aura envolvente onde a maioria queiram está com este com segurança e confiança para com o que será discipulado.

É intrigante percebermos uma corrida as salas teológicas, mas por fins egoístas do que por vocação e chamado do Santo Espírito para um preparo, da primeira pessoa “o eu”, a fim de quando enviado ao campo, despontem novos Anchieta.

Ainda recorrendo à história, é válido dizer que Agostinho caiu em contradições profundas, pela influência do neoplatonismo e platonismo. E o que dizer de muitas doutrinas conduzidas por “mestres” que já mais dominaram a arte da oratória ficada, primeiro no chamado e também por galgarem conhecimentos filosóficos, passando a entender o ser, seguido da teologia (o conhecimento do está servindo)?

Nossos dias estão recheados do que considero uma mistura de cristianismo pelo agnosticismo fluente em Herbert, Thomas Huxlex e Kant, mesmo que parcial.

Porque se introduziram alguns, que já antes estavam escritos para este mesmo juízo, homens ímpios, que convertem em dissolução a graça de Deus, e negam a Deus, único dominador e Senhor nosso, Jesus Cristo. Mas quero lembrar-vos, como a quem já uma vez soube isto, que, havendo o Senhor salvo um povo, tirando-o da terra do Egito, destruiu depois os que não creram…

E, contudo, também estes, semelhantemente adormecidos, contaminam a sua carne, e rejeitam a dominação, e vituperam as dignidades” – Judas 1:4-8.

 

Pastor, Agnaldo Santana

Sistema MEV de Evangelismo

31 de dezembro de 2016

Tags,